Bye bye Google+

Bye bye Google+

Marcelo Rubens Paiva

02 de abril de 2019 | 12h14

O sucesso do Facebook levou a gigante do setor, Google, a entrar na briga com uma rede social própria, o Google+, ou G+.

Que observou os erros do Orkut, que de pioneiro foi varrida do mapa pela genialidade e ousadia de Mark Zuckerberg e seus colegas de Harvard: aprimorar a plataforma digital, somada à privacidade, o calcanhar de Aquiles, e novidades como o botão “curtir”.

Mas não rolou.

Hoje, 2 de abril, o G+ fecha as portas.

As contas do Google+, se ainda existem, e as páginas da rede, serão fechadas.

Aos poucos, o conteúdo será deletado.

O tiro de misericórdia veio depois que a empresa descobriu um bug no G+ que expôs dados de mais de 50 milhões de usuários.

A maioria ainda é audiência assídua (cliente) de suas plataformas, como Chrome, GMail, Youtube, Drive.

Google conseguiu elevar seu sistema operacional de celular, Android, à surpreendente categoria de líder do mercado.

E ainda é número um naquilo que fez a fama, o site de buscas, desbancando também outros pioneiros, como Yahoo (que ainda resiste).

Porém nas rede social se mostrou um fracasso já há tempos.