be happy

be happy

Marcelo Rubens Paiva

31 de março de 2010 | 14h36

Entrega ontem do VI Prêmio FIESP/SESI do Cinema Paulistano.

Cerimônia no prédio da FIESP na av.Paulista. O filme FIEL concorria a 3 prêmios [trilha, montagem e roteiro]. Não levou nenhum. Júri bambi.

Brincadeira. Minha amiga ANNA MUYLAERT ganhou os prêmios mais importantes com o ótimo filme É PROIBIDO FUMAR [roteiro, direção, melhor filme e melhor atriz]. Merecidos. Ao final, dedicou o prêmio ao cinema… pernambucano!!! Ninguém entendeu, ANNA. Depois você explica.

BRANCO MELLO ganhou a melhor trilha pelo doc TITÃS, A VIDA NÃO É UMA FESTA.

E BESOURO ganhou a maioria dos prêmios técnicos. Também merecidos. Júri Bambi, mas justo.

+++

E acabam de me ligar para avisar que clonaram um dos meus cartões de crédito.

Era da loja PODEROSO TIMÃO me perguntando se comprei um agasalho do CORINTHIANS.

Só podia ser. Como diria ZÉ SIMÃO, é o País da piada pronta. Confirmei a clonagem e quase aproveitei para encomendar um agasalho para mim também.

+++

Este é o mês ideal para tirar a roupa de domingo do armário e ir ao teatro.

Pois estrearam ótimas peças, já que a temporada sempre começa pra valer no final de março.

Antunes Filho estreou POLICARPO QUARESMA no SESC ANCHIETA, baseado no maior livro de LIMA BARRETO, uma espécie de BRÁS CUBAS republicano [a mesma levada do clássico de Machado, só que de um homem “comum”, um cidadão].

No CCBB de São Paulo, ÊXTASE, do grande MIKE LEIGH, dirigida por MAURO BATISTA, excelente diretor que surpreendeu a classe com A FESTA DE ABIGAIU. Com MÁRIO BORTOLOTTO de cabelo tingido e dez anos mais jovem.

CIBELINHA FORJAZ estreou O IDIOTA – UMA NOVELA TEATRAL, adaptação em 3 partes da obra de Dostoievski, no SESC POMPÉIA.

E FELIPE HIRSH estreou CINEMA, no TEATRO DO SESI.

Sem contar que estão em cartaz duas peças que questionam o casamento e o papel da mulher na modernidade, ESCOLA DE MULHERES [de Molliere], dirigida pelo ROBERTO LAGE, no TEATRO VIVO, e a ótima O INFERNO SOU EU, sobre a visita do casal SARTRE e BEAUVOIR ao BRASIL, dramaturgia de alto nível e relevante de JULIANA ROSENTHAL, no TEATRO JARAGUÁ. MARISA ORTH faz SIMONE. Diva.

Boa deixa do coelhinho da Páscoa.

+++

Essa moda vai pegar?

Arthur Saraiva me mandou de campinas:

Foto0058

Tendências: