Barbie na polarização

Barbie na polarização

Marcelo Rubens Paiva

15 Outubro 2018 | 10h27

A boneca Barbie entra no debate político.

Imagens da sexagenária boneca são recriadas com frases (preconceituosas e racistas) e em situações que se tornaram comuns (e piadas) no dia a dia dos brasileiros.

A conta Barbie Fascista no Insta chegou a sair do ar, depois de denunciada, mas voltou como Barbie Fascionista (em alusão à popular hashtag Barbie Fashionista) e já tem mais de 73 mil seguidores.

Frases como “O PT destruiu a minha vida”, “Não quero que o Brasil vire uma Venezuela”, “Não sou racista, tenho amigos gays” e “Homofóbica, eu?? Inclusive tenho vários amigos gays” entraram para o repositório da boneca loira sorridente.

Uma versão Barbie Bolsominion simula uma apoiadora do candidato do PSL, avisa que não é obrigada a ser feminista e acompanha paninhos de louça, como uma digna moça do lar.

Outra carrega uma fuzil de repetição.

 

 

Já era difundida a @BarbieMaconheitro, @BarbieRockandRoll.

 

 

Ela, agora, se atualiza.

 

 

No Twitter, a conta é @BarbieDeBem e já tem mais de 15 mil seguidores.