a viagem

a viagem

Marcelo Rubens Paiva

14 de agosto de 2012 | 11h58

Nossa peça reestreia hoje.

 

 

Olha aí, saiu no DIÁRIO DO GRANDE ABC, escrito pelo Thiago Mariano:

Viagem entre o sonho e a morte.

O vasto universo onírico do cineasta Federico Fellini (1920-1993) ganha representação nos palcos em ‘Il Viaggio’, montagem que reestreia no Espaço dos Parlapatões, na Capital.

Com texto adaptado por Marcelo Rubens Paiva de roteiro inédito do italiano, a montagem com direção assinada por Pedro Granato passeia pelo real e pelo imaginário para contar a história de um violoncelista que está em um avião, em viagem para um concerto internacional, que é obrigado a fazer pouso de emergência em desconhecida cidade. É aí que começa a jornada do homem, rumo ao centro de sua história e de sua vida.

Mastorna, o protagonista, é conduzido na cidade pela figura de um bufão e pelas aeromoças do avião. Simbologias inspiradas nas criações de Dante Alighieri e de Franz Kafka permeiam a história. Do primeiro, há um quê do inferno de ‘A Divina Comédia’, com quadros que reproduzem as situações narradas na obra. Do escritor alemão brota o impedimento de realização nas ações de Mastorna. Algo o impede de chegar a seu destino, tira ele do seu objetivo.

O espaço criado para a representação, ambíguo entre o estado de sonho ou a figuração da morte, acaba revelando vícios e defeitos das estruturas sociais vividas cotidianamente. Os acontecimentos põem Mastorna em xeque. Aparentemente preso em situação da qual não consegue voltar à vida, o personagem começa a refletir sobre si próprio.

As cenas são criadas com inspirações nas técnicas clownescas, das bufas, das líricas e do teatro físico. Atores de diferentes coletivos compõem a montagem, entre eles artistas da Cia Le Plat du Jour, do Barracão Teatro de Campinas, do Jogando no Quintal e do Folias.

 

+++

 

Faltaram em LONDRES: