A série mais cara de todos os tempos

A série mais cara de todos os tempos

Marcelo Rubens Paiva

06 de dezembro de 2019 | 09h11

A Apple TV+ entrou no ar em 1 de novembro de 2019 com o pé na porta.

Anunciou que produzira a série mais cara da história, The Morning Show. Custo: em torno de US$ 17 milhões por episódio. Não economizou para ter um elenco com Reese Witherspoon e Jennifer Aniston, cada uma papando US$ 1,5 milhão por episódio, e Steve Carell.

Mas ela mesma se supera. A segunda empresa mais valiosa do mundo gasta entre 200 e 250 milhões de dólares (em torno de R$ 1bi) produzindo oito (alguns afirmam ser nove) episódios de Masters of the Air, série sobre pilotos da Segunda Guerra.

Ela já é chamada de spin-off de Band of Brothers e The Pacific, produções da HBO que se passam na guerra da bem-sucedida dupla apaixonada pelo tema, Steven Spielberg e Tom Hanks, que começou a filmar o heroísmo de soldados americanos no longa O Resgate de Soldado Ryan de 1998 e não mais parou.

O recorde de custo até então pertencia a Game of Thrones, da HBO: cada episódio da última temporada custou cerca de 16 milhões de dólares.

Baseada no livro de Donald L. Miller, Masters of the Air: America’s Bomber Boys Who Fought the Air War Against Nazi Germany, a série estava sendo desenvolvida para a HBO desde 2012.

Há um mês, a Apple anunciou que comprou o projeto.

Pelas contas, cada episódio custará entre US$ 22 milhões, se forem nove, e US$ 31 milhões, se forem oito.

Band of Brother abordava a real história de Easy Company, de paraquedistas, desde o treinamento na escola militar, passando pelo Dia D, até o final da guerra.

The Pacific não fez o mesmo sucesso, e, como o nome diz, focou no front oeste e na guerra contra o Império Japonês.

Masters também abordará o treinamento de pilotos e suas heroicas missões, em que a possibilidade de morrer era de uma pra cinco.