A nuvem

A nuvem

Marcelo Rubens Paiva

18 de junho de 2009 | 11h56

“Ressaca é como acordar após comer horas e horas de jornal amassado.” [postou Jessica]

“Usar jaca de pantufa” [expressão da Patríca]

Mas à noite, ela foi curada. Adivinha por quê?
Todo Poderoso Timão 2 X 0.
Estava bonito o estádo ontem.
Lotado. Cantoria. Gol do Fenômeno.
Um jogo tenso daquele e torcer curam até pedra no rim.
A paz reinou dessa vez.
Também, estava toda a PM lá.
Inclusive com helicóptero.
E um baita cheiro de maconha no ar.

Ninguém fala disso, mas em qualquer evento público dessa cidade, aberto ou fechado, pago ou livre, paira sobre nós uma nuvem perfumada de maconha.

Será que na próxima convenção do PSDB estará liberada? Afinal, seu presidente de honra, FHC, defende a descriminalização.

No show do Radiohead, ela chapava até quem mora em Taboão. Na maioria dos shows em que vou, em baladas e inferninos, me oferecem [eita fama…]. Não, obrigado. Mas também não tenho nada contra. Incomoda menos do que cheiro de cigarro. Aliás, como farão na lei antitabaco, que vigora a partir de agosto? Cigarro, não, basulo, sim? E haxixe com tabaco? Skank pode?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: