a força da arte de rua

a força da arte de rua

Marcelo Rubens Paiva

25 de fevereiro de 2014 | 17h23

 

A arte de rua existe deste os romanos

É como o povo de uma cidade se expressa

Sátira, protesto político, bandeiras ou somente poesia

A poesia fundamental do dia a dia

Se Gregório de Matos colava seus poemas em portas de igrejas de Salvador

Chamando a elite de “canalha infernal”, e os nobres de “caramurus”

Com o lirismo corrosivo e erotismo

A poesia marginal durante a ditadura achou no poste o seu meio

E a parede a mensagem para o grafite

A arte de fazer arte de rua prossegue mais firme do que nunca

Em muros, postes, torres, onde houver espaço

De artistas anônimos

Num mundo led de telas e luzes

Redes e fibra ótima

Nuvens ou clouds

Usam a tinta, a cola e o papel como armas de seu vislumbre e inspiração

Original ou não

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.