As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Wilson Bueno, as flores e a morte

Luiz Zanin Oricchio

09 de junho de 2010 | 16h41

Ando impressionado com a quantidade de artigos, matérias, colunas e reavaliações críticas elogiosas sobre a obra de Wilson Bueno, que morreu assassinado a semana passada.

Há muito se sabia que Wilson era excelente escritor. Bastava haver lido seu livro mais conhecido, Mar Paraguayo, para comprovar sua qualidade literária, pouco usual entre nós. No entanto, a cada novo lançamento, Wilson ganhava um destaque discreto, em nada condizente com seu talento, já provado, comprovado e amadurecido. Num mundo ávido por novidades, ou celebridades instantâneas, ele já não era notícia.

A morte lhe trouxe a aura que faltava. É curioso. É trágico. Lembro de Nelson Cavaquinho: “Me deem as flores em vida.”

Tudo o que sabemos sobre:

literaturaWilson Bueno

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.