Venezuelano ‘El Amparo’ vence a 40ª Mostra
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Venezuelano ‘El Amparo’ vence a 40ª Mostra

Luiz Zanin Oricchio

03 de novembro de 2016 | 00h24

amparo

 

O prêmio principal da 40ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, o troféu Bandeira Paulista, ficou com El Amparo, do venezuelano Rober Calzadilla. Um belo filme, sem dúvida, assinalando a nova e ótima fase do cinema da Venezuela, que faturou nada menos que um Leão de Ouro em Veneza com Desde Allà.

El Amparo é baseado em caso verídico. Em 1988, um grupo de pescadores é confundido com guerrilheiros e quase exterminado pelo exército. Dois sobreviventes negam a versão do governo e enfrentam as consequências. Um bom thriller político sul-americano, de ótima fatura cinematográfica.

Já os brasileiros premiados foram Era o Hotel Cambridge, de Lili Caffé (ficção) e Martírio, de Vincent Carelli (documentário). Quer dizer: cinema político em alta. Mas não ganharam pelos temas escolhidos (luta pela moradia em um, denúncia de genocídio indígena em outro), mas sim porque são também belas realizações cinematográficas. (Vamos parar de dizer essas bobagens de que “tal filme venceu pelo tema”, quando não gostamos do resultado. Fosse assim, qualquer um pegava A Montanha Mágica, de Thomas Mann, adaptava e ganhava a Palma de Ouro em Cannes.)

A premiação completa você confere aí embaixo. Um balanço da 40ª Mostra sai mais adiante. Hoje já começa a repescagem. Quer dizer, tem mais filme para ver e tentar assistir ao que se perdeu ao longo da Mostra.

 

PRÊMIO DO JÚRI INTERNACIONAL                                                                                    

Após serem exibidos na 40ª Mostra, os filmes da seção Competição Novos Diretores mais votados pelo público foram submetidos ao Júri Internacional, que escolheu os vencedores do Troféu Bandeira Paulista (uma criação da artista plástica Tomie Ohtake), nas categorias melhor filme de ficção, Menção Honrosa para duas atrizes e Prêmio Abbas Kiarostami, criado pelo júri para laurear um filme iraniano.

Conheça os filmes premiados pelo júri internacional: 

MELHOR FILME –

  • EL AMPARO, (EL AMPARO) de Rober Calzadilla.

| 2016 ? cor? 99 min.? Ficção?VENEZUELA.

MENÇÃO HONROSA DO JÚRI –

  • ATRIZ – MIRJANA KARANOVIC, por A BOA ESPOSA (DOBRA ZENA).

|2016 | cor | 94min.| Ficção| SÉRVIA, BÓSNIA-HERZEGOVINA, CROÁCIA.

  • ATRIZ –LENE CECILIA SPARK, por SÁMI BLOOD (SAMEBLOD).

|2016 |cor| 110min. | Ficção | SUÉCIA.

PRÊMIO ABBAS KIAROSTAMI  –

  • MAAT(MAAT), de Saba Kezemi.

|2016 | cor | 92min. | Ficção| IRÃ. 

Júri Internacional: Lita Stantic, Vasco Pimentel, Nicolas Klotz,

Jeferson De, Bette Gordon e Peter Brosens.

 

PRÊMIO DO PÚBLICO                                                                                                             

Além dos prêmios outorgados pelo Júri Internacional, o público da

40ª. Mostra escolheu, entre os estrangeiros, o melhor filme de ficção

(The Handmaiden) e o melhor documentário (empate entre dois títulos:

Gurumbé e Gaga), e os melhores brasileiros nas duas categorias

(a ficção Era o Hotel Cambridge e o documentário Martírio).

Os dois títulos brasileiros receberão,da Spcine – Empresa de Cinema e Audiovisual de São Paulo, um total de R$ 50 mil, sendo R$ 35 mil para Era o Hotel Cambridge e R$ 15 mil para Martírio. Os dois filmes foram escolhidos pelo público da Mostra. A escolha do público é feita por votação. A cada sessão assistida o espectador recebeu uma cédula para votar com uma escala de 1 a 5, entregue sempre ao final do filme. O resultado proporcional dos filmes com maiores pontuações é:

MELHOR FILME DE FICÇÃO INTERNACIONAL

  • THE HANDMAIDEN, de Park Chan-wook.

|2016 | cor| 145 min. | Ficção | Coréia do Sul.

MELHOR DOCUMENTÁRIO INTERNACIONAL

  • GURUMBÉ – CANCIONES DE TU MEMORIA NEGRA, de Miguel ÁngelRosales.

| 2016 | cor | 72min. | Doc| ESPANHA.

  • GAGA – O AMOR PELA DANÇA, Tomer Heymann.

|2015 | cor | 100min.| Doc. | ISRAEL, SUÉCIA, ALEMANHA, HOLANDA.

MELHOR FILME BRASILEIRO DE FICÇÃO – Prêmio Spcine: R$ 35 mil

  • ERA O HOTEL CAMBRIDGE, de Eliane Caffé.

| 2016| cor| 93min.| Ficção| BRASIL, FRANÇA.

MELHOR DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO – Prêmio Spcine: R$ 15 mil

  • MARTÍRIO, de Vincent Carelli, de Vincent Carelli.

| 2016| cor| 160min.| Doc.| BRASIL.

 

PRÊMIO DA CRÍTICA                                                                                                         

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • DEPOIS DA TEMPESTADE(Umi Yori Mo Mada Fukaku), de Hirokazu Koreeda.

| 2016 ? cor? 117 min.? Ficção?Japão.

MELHOR FILME BRASILEIRO

  • PITANGA,(Pitanga)de Beto Brant, Camila Pitanga

|2015| cor| 90min. | doc.| Brasil.

 

PRÊMIO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ROTEIRISTAS E AUTORES          

MELHOR ROTEIRO DA

COMPETIÇÃO NOVOS DIRETORES 

  • EL AMPARO, (EL AMPARO) de Rober Calzadilla.

| 2016 ? cor? 99 min.? Ficção?VENEZUELA.

Júri ABRA: Mariana Morgon, Paulo Weences Duarte e Lilian Iaki

 

PRÊMIO DA ABRACCINE                                                                                            

MELHOR FILME

  • A MULHER DO PAI (MULHER DO PAI), Cristiane Oliveira.

|2015| cor| 94min. |Ficção| BRASIL, URUGUAI.

JÚRI ABRACCINE – Humberto Silva, Luciana Veras e Willian Silveira.

JUSTIFICATIVA: Pela maneira terna e delicada no tratamento da relação entre um pai que não enxerga, uma filha adolescente e a professora de artes dos dois, que se insere entre os dois como presença disruptiva;  pela dimensão humana com que são tratados personagens prosaicos na fronteira entre Brasil e Uruguai; pelo domínio de uma narrativa em que contrastes na psique dos personagens centrais se revelam de forma sutil; pelo equilíbrio entre estilística autoral e diálogo com o público, o prêmio Abraccine de melhor longa-metragem de diretor estreante na 40ª Mostra de Cinema de São Paulo vai para “Mulher do Pai”, de Cristiane Oliveira.

 

PRÊMIO HUMANIDADE

  • ANDRZEJ WAJDA

O Prêmio Humanidade da 40ª. Mostra, que o evento outorga todo ano a um diretor cuja obra reflete questões humanísticas, foi homenagem póstuma ao cineasta Andrzej Wajda, que ganhou uma retrospectiva especial, dentro do Foco Polônia. O prêmio foi entregue ao crítico polonês Tadeusz  Lubelski, que levou o troféu para a Escola Wajda.

PRÊMIO LEON CAKOFF                                                                                          

  • MARCO BELLOCCHIO

Nesta 40ª Mostra, Marco Bellocchio foi homenageado pelo evento com o Prêmio Leon Cakoff e a apresentação do longa BELOS SONHOS, além de uma retrospectiva de 11 títulos do diretor.

  • WILLIAM FRIEDKIN

O diretor americano William Friedkin, também foi homenageado com o prêmio Leon Cakoff e a exibição de sete títulos, incluindo “O EXORCISTA” e “OPERAÇÃO FRANÇA”, longa que completa 45 anos em 2016.

  • ANTÔNIO PITANGA

O ator Antonio Pitanga também ganhou homenagem do evento com o Prêmio Leon Cakoff, além da exibição do documentário PITANGA, de Beto Brant e Camila Pitanga, e de dois filmes protagonizados por ele (BARRAVENTO e A GRANDE CIDADE).