As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Veneza anuncia concorrentes; Brasil fora

Luiz Zanin Oricchio

27 de julho de 2012 | 17h19

O Festival de Veneza divulgou 17 títulos da sua principal competição, aquela que concede ao vencedor o Leão de Ouro. Entre eles, nenhum do Brasil. Em compensação, vários nomes conhecidos estarão competindo, como Marco Bellocchio (Bela Adormecida), Takeshi Kitano (Para Além da Indignação) e Brian de Palma (Pasión). Só por aí já se poderia prever uma bela mostra, agora sob nova direção. Saiu o antigo presidente, Marco Müller, e regressou Alberto Barbera, que já dirigira Veneza.

Mas o maior trunfo provavelmente não dará as caras no Lido. Trata-se do ermitão Terrence Malick, que manda ao festival italiano To The Wonder, com Rachel Weisz, Ben Affleck e Javier Bardem. Malick, convém lembrar, venceu o Festival de Cannes com seu A Árvore da Vida, um trabalho com ambição metafísica, hoje coisa rara no cinema. O fato de ter enviado seu novo filme a Veneza representa uma vitória da nova direção deste que é o mais antigo festival de cinema do mundo, mas que andava com o prestígio abalado nos últimos anos.

Os outros filmes também prometem. Em especial este que é um dos concorrentes da casa e um dos remanescentes da melhor fase do cinema italiano – Marco Bellocchio.

Com Bella Adormentata (Bela Adormecida), Bellocchio mais uma vez trabalha com os temas tabus que lhe são caros. No caso, com a eutanásia, assunto difícil de ser discutido com serenidade num país católico e que abriga o Estado do Vaticano. A história baseia-se no caso real de uma mulher que permaneceu anos em estado vegetativo, enquanto sua família lutava para desligar os aparelhos que a mantinham artificialmente viva. Independentemente dos seus méritos estéticos, Bela Adormecida deve proporcionar calorosas discussões no Lido.

Há, entre os selecionados, outros títulos que já despertam interesse prévio. Um deles é O Útero, do filipino Brillante Mendoza, que concorreu em festival anterior com Lola. Enfim, bons ares para o festival, que começa dia 29 de agosto.

Abaixo, os 17 títulos. Falta um por anunciar.

–  “Après Mai” (Something in the air, Algo no Ar) de Olivier Assayas – Francia

– “At any price” (Por Nenhum Preço) de Ramin Bahraini – EEUU/GB

– “Bella Addormentata” (A Bela Adormecida) de Marco Bellocchio – Italia/Francia

– “La cinquième saison” (A quinta Estação) de Peter Brosens y Jessica Woodworth –

Bélgica/Holanda/Francia

– “Lemale Et Ha’Chalal” (Depois da Ocupação) de Rama Burshtein – Israel

– “E stato il figlio” (Foi o Filho) de Daniele Cipri – Italia/Francia

– “Un giorno speciale” (Um dia Especial) de Francesca Comencini – Italia

– “Passion” (Paixão) de Brian de Palma – Francia/Alemania

– “Superstar” de Xavier Giannoli – Francia/Bélgica

– “Pieta” (Piedade) de Kim Ki-duk – Corea del Sur

– “Outrage Beyond” (Para Além da Indignação) de Takeshi Kitano – Japón

– “Spring Breakers” (Férias de Primavera) de Harmony Korine – EEUU

– “To the wonder” (Para a Maravilha) de Terrence Malick – EEUU

– “Sinapupunan” (O Útero) de Brillante Mendoza – Filipinas

– “Linhas de Wellington” de Valeria Sarmiento – Francia/Portugal

– “Paradies: Glaube” (Paraíso: Fé) de Ulrich Seidl – Austria/Francia/Alemania

– “Izmena” (Engano) de Kirill Serebrennikov – Rusia

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.