As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma Viagem Extraordinária

Luiz Zanin Oricchio

07 de novembro de 2014 | 13h51

O francês Jean-Pierre Jeunet é conhecido por seu estilo maneirista. Ou seja, cheio de detalhes tido como engenhosos, ângulos de filmagem inusitados, personagens fora do eixo, etc. São assim Delicatessen e O Fabuloso Destino de Amélie Poulin, por exemplo. Este Uma Viagem Extraordinária, filmado em inglês, nos Estados Unidos, leva também essa assinatura. Mas não deixa de ter seus momentos de encanto, apesar da estética visual comprometer outros tantos.

A história é a de um pequeno gênio da tecnologia, T. S. Spivet (Kyle Catlett), filho de um fazendeiro e de uma entomóloga, que consegue nada menos que realizar um velho sonho da humanidade – a construção do moto perpétuo. Bem, estamos no território de Jeunet. Assim, a excentricidade genial do garoto é contrapartida para uma família em princípio disfuncional. O pai é um caubói fora de época, a mãe, uma pesquisadora frustrada e distraída da família, a irmã, uma adolescente fútil, que só pensa em concursos de beleza.

Leia o texto completo:

 

http://cultura.estadao.com.br/noticias/cinema,uma-viagem-extraordinaria-e-meio-maneirista-e-mesmo-assim-encantador,1589103

Tudo o que sabemos sobre:

Crítica Luiz ZaninJean-Pierre Jeunet

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.