Um textinho sobre o cinema e a Revolução dos Cravos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um textinho sobre o cinema e a Revolução dos Cravos

Luiz Zanin Oricchio

04 de maio de 2014 | 19h26

Nada mais cinematográfico que uma revolução. E o encanto de uma revolução na qual as moças colocavam cravos na ponta dos fuzis não deixou de cativar o imaginário universal, ultrapassando as fronteiras de Portugal.

Nosso cineasta maior, Glauber Rocha, por exemplo, participou do projeto coletivo As Armas e o Povo (1974), no qual ele mesmo funciona como entrevistador do povo, no calor da hora revolucionário. Fala com as pessoas no comício de 1º de maio, logo após a Revolução. É muito revelador, e também engraçado, vê-lo questionando os populares, na rua, e pedindo suas opiniões sobre a queda do salazarismo. “Não sabe o que dizer? É alienado!”, bradava o “repórter”.

Outro artista da ruptura dos anos 1960, comumente ligado ao teatro, também fez sua intervenção cinematográfica sobre o 25 de abril. E em dose dupla. Zé Celso Martinez Corrêa, em parceria com Celso Lucas, dirigiu o curta O Parto e, em seguida, o longa Vinte e Cinco, celebrando a independência de Moçambique no processo de descolonização que veio a seguir.

Mas, claro, o que talvez seja o filme mais importante sobre esse período é dirigido por alguém da terra – a atriz e cineasta Maria de Medeiros que com Capitães de Abril faz o mais emocionante retrato da revolução. Ela própria faz parte do elenco, como Antónia, professora de literatura e ativista política. Os outros dois personagens principais são os capitães Salgueiro Maia (Stefano Accorsi) e Gervásio (Joaquim de Medeiros). O filme, do ano 2000 foi apresentado no Festival de Cannes e também na Mostra de Cinema de São Paulo. Maria tinha apenas nove anos de idade quando os fatos se deram. O que não a impediu de imaginar a revolução como uma grande aventura – o que ela também foi.

Mesmo o sisudo cinema suíço encontrou no 25 de abril um belo tema para um filme contemporâneo – e em registro  cômico. Longwave – Nas Ondas da Revolução, de Lionel Baier, com estreia prevista para 1º de maio em São Paulo fala da história de um trio de jornalistas suíços que se desloca a Portugal para fazer uma plácida reportagem sobre a colaboração econômica entre os dois países. Um operador de som, mais Cauvin (Michel Vuillermoz), repórter acostumado a coberturas de guerra, e Julie (Valérie Donzelli), uma moça tão ambiciosa como bonita, nem desconfiam o que os esperava na madrugada do dia 24 para o 25 de abril de 1974 em Lisboa.

Pois é, talvez seja, nessa comédia despretenciosa, porém inspirada, que o espírito do 25 de abril se retrate melhor. Depois de décadas de sufoco salazarista, tudo se abre da noite para o dia e vira um imenso carnaval, uma festa cívica e  dos sentidos. O espírito de liberdade reprimida está lá, na alegria das pessoas e nos corpos que se desejam.

Revoluções são sensuais.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Revolução dos Cravos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: