As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um personagem à procura de uma autora

Luiz Zanin Oricchio

13 Janeiro 2007 | 12h53

O enredo tem alguma coisa do Pirandelo de Seis Personagens em Busca de um Autor. Só que o personagem, aqui, é um só. Fiscal de imposto de renda, Harold Crick (Will Ferrell) é um primor de método. Acorda sempre na mesma hora, dá o mesmo número de escovadas nos dentes, sai, toma a condução no mesmo horário, vai ao escritório e evita muita intimidade com os colegas. Até que um dia começa a ouvir vozes, aliás, uma voz, e fica assustado. Consulta uma psicanalista (Helen Hunt) e depois um professor de teoria literária (Dustin Hoffman). Até concluir que talvez ele seja apenas isso mesmo – um personagem de ficção.

Bom ponto de partida, não é? Pois o filme do diretor Marc Forster (o mesmo de Em Busca da Terra do Nunca) se equilibra bem nesses dois níveis – um, o realista, a vida como ela é; o outro, o plano da ficção. Sou eu mesmo ou um personagem inventado, cujo destino está nas mãos do meu criador? Esses dois planos se sustentam até quase o final quando, talvez por motivos de produção e retorno de bilheteria, Forster terá de fazer algumas concessões. Digamos, concessões ao gosto médio e à necessidade de um final, senão feliz, pelo menos tolerável. Mas até chegar ao final, o filme flui bem. Em especial graças ao roteiro bem bolado e ao próprio protagonista, contido, bem no papel.

Com alguma tolerância, você pode até alinhar a história na categoria da narrativa fantástica, algo que tenha longinquamente sido escrito por um Borges, ou Bioy Casares, um Cortázar, guardadas as devidas proporções. De qualquer forma, a idéia de base é que não somos donos do próprio destino. Alguém o escreve por nós. Somos apenas marionetes e nem mesmo nos damos conta de que alguém, acima de nós, puxa os cordéis e governa nossas vidas. Existimos enquanto se preocupam conosco. Se esse alguém se cansa do brinquedo, somos atirados ao canto, como faz uma criança emburrada. Ou, se algum escritor precisa de nós para um desfecho trágico, bem, já viu, não? Negociar com esse demiurgo será o desafio de Harold, até descobrir, por meio de uma doce sonegadora de impostos, que a vida pode estar em outra parte.