As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Touro de Picasso

Luiz Zanin Oricchio

05 de janeiro de 2008 | 17h51

De Javier Bardem, com quem contracena em Amor nos Tempos do Cólera, Fernanda Montenegro disse que parece um “touro de Picasso” e as mulheres ficam loucas com ele. Bom para Bardem, um típico machão latino, pelo menos na imagem que dele temos nas telas. Começou a aparecer por aqui nos filmes de Bigas Luna, que aproveitam muito bem esta característica do ator, a de exalar testosterona pelos poros. Assim foi na “trilogia testicular” de Bigas – ‘Jamón, Jamón’ (92), ‘Ovos de Ouro’ (93) e ‘A Teta e a Lua’ (94).

No entanto, o “touro de Picasso” agora vive outros papéis. Em ‘Amor nos Tempos do Cólera’, de Mike Newell, adaptado de García Márquez, ele faz o apaixonado que espera décadas para poder ficar ao lado da mulher amada. É um tipo romântico, recatado, ainda que, depois de perder tardiamente a virgindade, passe a colecionar amores transitórios enquanto espera pelo definitivo.

Em Sombras de Goya, também em cartaz, ele faz o irmão Lorenzo, inquisidor fanático na Espanha do século 18, que depois se converte às luzes da razão com a chegada da Revolução Francesa. O filme é dirigido por Milos Forman e falado em inglês, como ‘Amor nos Tempos do Cólera’.

O personagem de Lorenzo tem um encanto ambíguo, mas o filme é pesado e esta circunstância de produção, a imposição da língua inglesa, não lhe é favorável, como não é em ‘Amor nos Tempos do Cólera’. Mas sobra Bardem.

(Guia do Caderno 2, 4/1/08)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.