As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sofia Coppola ganha o Leão de Ouro

Luiz Zanin Oricchio

11 de setembro de 2010 | 15h04

Somewhere, de Sofia Coppola, ganhou o Leão de Ouro do 67º Festival de Veneza. O anúncio foi feito pelo presidente do júri, Quentin Tarantino, sob vaias na sala de imprensa, que assistia à cerimônia em circuito fechado. O filme de Sofia é ok. Mas, de fato, um Leão de Ouro é excessivo. Foi uma “tarantinada” inequívoca, sob a complacência dos outros membros do júri. Tarantino ainda emplacou um Leão de Ouro Especial pelo conjunto da obra para o cineasta Monte Hellman, que foi quem o lançou na carreira de cineasta. Um Leão para sua ex-namorada; outro para seu primeiro protetor. Não está mal, não é?

A premiação seguiu contemplando o gosto de Tarantino. O inventivo Balada Triste de Trompeta (Espanha) deu o prêmio de direção a Alex de la Iglesia, que ainda foi agraciado com o troféu de melhor roteiro, também escrito por ele.

Outro filme, Essential Killing, venceu o prêmio Especial do Júri e também deu a Vincent Gallo o troféu de melhor ator. GAllo não apareceu para recebê-lo. Já a melhor atriz foi Ariane Labed pelo filme grego Attenberg. Ela, de fato, é uma gracinha no papel de uma moça de 23 anos, ainda virgem e que descobre os fatos da vida. Original e tocante.

O favorito dos críticos, o russo Ovsyanki (Almas Solitárias), teve de se contentar com a Osella de contribuição técnica (fotografia), para Mikhail Krishman. Merecia melhor sorte.

Já Post Mortem, do chileno Pablo Larraín, um mergulho original no Chile de Pinochet, foi completamente esquecido. Assim como foram esquecidos outros bem votados pela crítica e pelo público como o chinês La Fossé e o francês Venus Negra.

Para resumir: a atuação de Quentin Tarantino na presidência do júri foi o que dela se esperava. Um fiasco.

Abaixo, a premiação

Leão de Ouro para melhor filme: Somewhere, de Sofia Coppola
Leão de Prata para melhor direção: Álex de la Iglesia, por Balada Triste de Trompeta (Espanha)
Prêmio Especial do Júri: Essential Killing de Jerzy Skolimowski (Polônia)
Coppa Volpi melhor ator: Vincent Gallo por Essential Killing
Coppa Volpi melhor atriz: Ariane Labed por Attenberg
Prêmio Marcello Mastroianni (ator ou atriz revelação): Mila Kunis por Black Swan
Osella de contribuição técnica (fotografia): Mikhail Krishman por Ovsyanki (Rússia)
Osella melhor roteiro: Álex de la Iglesia por Balada Triste de Trompeta (Espanha)
Leão de Ouro pela carreira: John Woo
Leão de Ouro Especial: para Monte Hellman
Orizzonti
Prêmio Orizontti melhor longa-metragem: Verano de Goliat (Nicolas Vereda)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.