Sem cinema, o streaming é salvação
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sem cinema, o streaming é salvação

Entre as atrações, Os Nove do Mangrove, de Steve McQueen, e a série brasileira Cidade Invisível, de Carlos Saldanha. Em DVD, o deslumbrante espetáculo do Bolshoi, Spartacus.

Luiz Zanin Oricchio

04 de março de 2021 | 12h23

Com São Paulo de volta à Fase Vermelha, salas de cinema fechadas até segunda ordem, as estreias antes previstas ficam adiadas. As atenções voltam-se para o streaming, que tem sido a salvação da lavoura dos cinéfilos nestes tempos de pandemia. 

Os Nove do Mangrove (da série Small Axes), do diretor britânico Steve McQueen, mostra a história verídica da comunidade negra em Londres para afirmar-se diante do racismo e da intolerância, bem como da perseguição policial que sofria. Vive-se os anos rebeldes da década de 1960 e tudo se passa em torno de um restaurante aberto por um empreendedor negro, alvo frequente de invasões policiais, a ponto de inviabilizar o negócio. Há uma manifestação de protesto e o caso vai parar no tribunal, com nove manifestantes acusados de provocar distúrbios e violência em Londres. O caso é exemplar sobre a luta de resistência de comunidades oprimidas. O filme é intenso, bem interpretado e cheio de ritmo. No elenco, Letitia Wright (Pantera Negra), John Boyega (Star Wars: A Ascensão Skywalker) e Malachi Kirby (Black Mirror). Steve McQueen é vencedor do Oscar com o filme 12 Anos de Escravidão. A série Small Axes é composta de cinco longas-metragens com histórias da comunidade das Índias Ocidentais (Caribe) em Londres. No Globo Play. 

A série brasileira da Netflix, Cidade Invisível, de Carlos Saldanha, tem seu interesse e suas limitações. Dirigida por um cineasta de bem sucedida carreira internacional (A Era do Gelo, O Touro Ferdinando e Rio), a série exibe boa técnica e elenco acima da média – com destaque para Alessandra Negrini e José Dumont. A ideia é ambientar no Rio de Janeiro uma história de crimes em que pessoas “normais” convivem com entidades da mitologia popular brasileira como o Saci Pererê, a Cuca, o Boto, a Iara, etc. A ideia é bem sacada e traz à tona temas como a especulação imobiliária e crimes contra o meio ambiente. Esses temas atuais ligam-se ao ancestral mundo da mitologia. Infelizmente, essa boa ideia se perde na superficialidade com que os temas são tratados. Mas a série é divertida. A primeira temporada tem sete episódios e já foi anunciada uma segunda temporada em função do sucesso obtido. 

Esta semana destaco um lançamento num meio tido como em extinção, o DVD, que no entanto continua ainda sendo produzido e tem seus consumidores, gente que prefere as mídias físicas às digitais. O CPC-Umes lança um clássico, o bailado Spartacus, pelo Bolshoi, com música de Aram Kachaturiam. Imagens e som sublimes na história (filmada por Stanley Kubrick em 1960) do escravo que lidera uma rebelião contra o César de Roma. A história de Spartacus, cabe lembrar, era uma das favoritas de Karl Marx. 

 

 Falando em CPC-Umes, o grupo tem um canal no Youtube que disponibiliza a cada semana clássicos do cinema russo e soviético. Pelo canal já passaram títulos como a obra-prima de Akira Kurosawa Dersu Uzala, Vá e Veja, de Elem Klimov,  e A Ascensão, de Larissa Shepkito. simplesmente dois dos maiores filmes de guerra de todos os tempos. Nesta semana entra A Balada do Soldado. Os filmes ficam disponíveis de sexta, às 19h, até domingo, às 19h. A Balada do Soldado (1959), de Grigori Chukhrai, conta a história de um rapaz condecorado por destruir dois tanques alemães durante a Segunda Guerra. Ele pede ao comandante que troque a medalha pela licença de uma semana para ir visitar sua mãe. Na viagem, toma consciência da condição trágica a que está submetida seu povo com a guerra contra os nazistas. Canal CPC-UMES Filmes no Youtube: http://bit.ly/CPCUMESFilmes  

 

No streaming, a plataforma Cinema Virtual estreia Mambo Man – Guiado pela Música, um interessante filme cubano dirigido por Edésio Alejandro. O personagem principal é um pequeno sitiante que vive com dificuldades financeiras. Um telefonema de um antigo conhecido parece lhe oferecer a chance de resolver seus problemas. É a tentação capitalista que chega à ilha…

Esta semana entra Um amor proibido, do francês Arnold de Parscou. 

Eka é um balinês de 25 anos que vive em uma pequena aldeia no norte de Bali. Por amor a Margaux, uma linda estudante de piano que vive na ilha em uma luxuosa vila com sua família francesa, Eka decide aprender a compor música. O jovem fica cativado por este mundo artístico que pretende conquistar, fazendo-o ter esperança de uma vida nova, longe da pobreza e da aspereza do seu meio.