As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

São Paulo e Santos: dois estilos de perder jogos

Luiz Zanin Oricchio

11 de abril de 2008 | 17h09

Santos e São Paulo precisavam de empates para se classificar para a próxima fase da Libertadores. Ambos perderam. Nenhum dos dois resultados é absurdo, pois jogaram fora, o futebol anda muito nivelado, etc. Mas mostraram estilos diferentes de derrotas.

O Santos entrou acovardado, com três zagueiros, para garantir o 0 x 0. Deixou o meio de campo às moscas e, ter levado somente dois gols naquele primeiro tempo, pode ser contabilizado até como lucro. Merecia uma goleada. Depois melhorou. Mas acabou perdendo o jogo porque teve medo o tempo todo de ganhar do Chivas.

Já o São Paulo parecia ter o jogo sob controle. Até atacava mais que o adversário, mas sem qualquer empenho. Como o empate com o Audax lhe dava a classificação, não buscou a vitória. Tomou um gol, num ataque isolado, e perdeu o jogo. Perdeu porque não teve ambição de vencer.

O Santos perdeu por medo; o São Paulo, por preguiça e falta de imaginação.Claro que este é um ponto de vista brasileiro. Os chilenos e mexicanos devem ter achado que seus times jogaram com brilho e determinação. Mas, francamente, o Chivas me parece superestimado; e o Audax, medíocre.

São Paulo e Santos dependem apenas de si mesmos para avançar. Acho que os dois conseguem. E, conseguindo, acho que tem futuros distintos na competição. O São Paulo, ainda que capenga, pode ir mais longe. O Santos me parece um time caseiro demais para vencer qualquer competição. Joga muito bem na Vila Belmiro; joga muito mal na casa do adversário.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.