As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sambando nas Brasas, Morô?: Por que o filme não se assume como documentário logo de uma vez?

Luiz Zanin Oricchio

22 Abril 2007 | 11h15

O projeto de Sambando nas Brasas, Morô? tinha tudo para dar errado, a começar pelo título e seguindo pelo formato de docudrama, visando a recriar o Rio de Janeiro dos anos 50 e 60. Acontece que a qualidade do material de arquivo pesquisado e a maneira como esse material é montado dão ao filme um charme que não seria de bom tom negar.

A saga do músico Pedro, que chega ao Rio para fazer carreira, deveria ser o fio condutor da trama. Mas esta é tão rala que acaba por passar a segundo plano com toda a naturalidade. E assim ficamos com o que interessa – as imagens de época, que evocam uma cidade desaparecida e personagens que o vento levou.

Pode-se imaginar com facilidade o que significa para o carioca, hoje habitante de uma cidade sitiada, ver essas imagens de um tempo ainda romântico, com os artistas da Rádio Nacional, os cabarés, a fina flor do samba e o surgimento da bossa nova. Há também o Rio das grandes comoções, como a morte e cortejo fúnebre de Getúlio Vargas e o enterro de Carmen Miranda. A essas cenas juntam-se bons depoimentos, como os de Nelson Pereira dos Santos, Carlos Heitor Cony, Hermínio Bello de Carvalho, Paulo Moura e Armando Nogueira.

Alguns fatos históricos são reconstituídos com minúcia, como o atentado a Carlos Lacerda na Rua Tonelero, que precipitou a crise no Catete e levou ao suicídio de Getúlio Vargas em 1954. Cony narra com a vivacidade de quem pensou no acontecimento muitas vezes ao longo da vida. Armando Nogueira foi testemunha ocular do fato, pois morava na mesma rua em Copacabana e chegava em casa quando os asseclas de Gregório Fortunato dispararam contra Lacerda e acabaram matando um militar. Enfim, seja pela palavra, seja pelas imagens, o que se tem é uma cidade maravilhosa e um país trepidante aparecendo diante de nós. E isso basta.

(SERVIÇO)
Sambando nas Brasas, Morô? (Br/2007, 78 min.) – Drama. Dir. Elizeu Ewald. 12 anos. Unibanco Arteplex 7. Cotação: Regular