As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Rumo à Cuba

Luiz Zanin Oricchio

23 de outubro de 2006 | 13h03

Amigos, acabei de receber a relação (ainda provisória, pois faltam alguns filmes) dos brasileiros selecionados para o 28º Festival de Havana. Segue lista abaixo:

LONGAS de ficção
Antonia (Tata Amaral)
Proibido Proibir (Jorge Duran)
O Céu de Suely (Karim Ainouz)
O Maior Amor do Mundo (Carlos Diegues)

Concurso filmes de estréia (Opera Prima)
A Máquina (João Falcão)
Os 12 Trabalhos (Ricardo Elias)

Concurso Documentários.
O fim e o principio (Eduardo Coutinho)
Meninas (Sandra Werneck)
Diário de Nana (Paschoal Samora)
Dos restos e das solidões (Petrus Cariry)
O maior espetáculo da terra (Marcos Pimentel0
Nzinga atabaques (Octavio Bezerra)

FORA DE CONCURSO
Casa de Areia (Andrucha Waddington)
Crime Delicado (Beto Brant)

Panorama Latinoamericano ( Longas de ficção/ fora de concurso)
2 Filhos de Francisco (Breno Silveira)
Achados e Perdidos (Jose Joffily)
Mulheres do Brasil (Malu De Martino)
Meteoro (Diego de la Texera)

Concurso de Animação
A morte do rei de barro (Marcos Buccini, Plinio Uchoa)
Acontece (Bruno Dantas)
Banheiro massa (Romero da Fonte)
Brincando na aldeia (Alunos del Nucleo Animazul)
Deu no jornal (Yanko del Pino)
Fraulein Gertie (Lavinia Chianello ,Tomas Creus)
Historietas assombradas (para criancas mal criadas) (Victor-Hugo Borges)
Leve-me ao seu líder (Nereu Cerdeira)
Os três porquinhos (Claudio Roberto Guimaraes)
Para chegar até a lua (Jose Guillermo Hiertz)
Wood e Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’ roll (Otto Guerra)

Falta ainda confirmação para filmes de curta-metragem. Nota: o Festival de Havana, que cobri para o jornal durante seis anos seguidos, é o mais completo em termos de cinema latino-americano. Seu formato é o de uma grande mostra, com centenas de filmes, distribuídos por vários cinemas da cidade, com salas em geral lotadas, pois os cubanos adoram cinema. Diretores brasileiros que lá estiveram falam da experiência única de ver um filme assistido num daqueles megacinemas dos anos 50, como o Yara, no centro da capital. É mesmo muito bonito e trata-se de um festival digno de ser acompanhado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.