As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Recife 2010 Curtas: Áurea

Luiz Zanin Oricchio

04 de maio de 2010 | 19h11

Mas o meu xodó mesmo é Áurea, de Zeca Ferreira, história de uma cantora da noite carioca. É uma ficção, mas Áurea interpreta a si mesma. E canta Janelas Abertas, de Tom e Vinícius, divinamente. O filme promove a aproximação entre Áurea e Elizeth Cardoso, seu possível modelo, que gravou Janelas Abertas no LP Canção do Amor Demais. Do ponto de vista de cinema, o filme é muito bom, com suas imagens da noite carioca, e comove com a volta da cantora para casa, depois da jornada de trabalho na casa noturna. Há nele uma melancolia que todos os que um dia viveram na noite conhecem muito bem. Isso para dizer que o filme é de fato muito bom e muito rico. Agora, tudo isso, e mais Janelas Abertas, uma das músicas mais belas e pungentes da MPB, já chega a ser até demais. Lindo de morrer.

Tudo o que sabemos sobre:

curtas-metragensfestival

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: