As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Poesia de Bandeira

Luiz Zanin Oricchio

07 de julho de 2007 | 20h54

Recebi um pequeno volume, muito bem editado, dos Poemas Religiosos e Alguns Libertinos (CosacNaify), de Manuel Bandeira. Às vezes esqueço do quanto Bandeira foi grande. Alguns versos me relembram disso rapidamente, como estes, os primeiros de Ubiqüidade:

Estás em tudo que penso,
Estás em quanto imagino:
Estás no horizonte imenso,
Estás no grão pequenino.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.