Olhar de Cinema 2018: ‘A Caça ao Leão’ e ‘A Feiticeira Viúva’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Olhar de Cinema 2018: ‘A Caça ao Leão’ e ‘A Feiticeira Viúva’

Ontem mesmo vimos dois filmes de Jean Rouch - A Caça ao Leão com Arco e Flecha (mais o curta Mammy Water) e Crônica de um Verão, este em parceria com Edgard Morin.

Luiz Zanin Oricchio

09 Junho 2018 | 12h14

A Caça ao Leão com Arco e Flecha

 

CURITIBA

Um jogo rápido, porque hoje é sábado, como se diz no poema de Vinicius de Moraes. Mas, para nós, será um dia cheio, ainda que o Brasil ande repleto de homens vazios, segundo o mesmo poema. Cheio de filmes e debates, a começar pelo de Matheus Araújo e Amaranta César, entre outros convidados, sobre o cinema do francês Jean Rouch, um dos focos históricos do festival deste ano. Será daqui a pouco, no Sesc Paço da Liberdade.

Ontem mesmo vimos dois filmes de Jean Rouch – A Caça ao Leão com Arco e Flecha (mais o curta Mammy Water) e Crônica de um Verão, este em parceria com Edgard Morin. Assistimos ainda ao chinês, na competição, A Feiticeira Viúva, e mais um programa de curtas da convidada deste ano, a norte-americana Janie Geiser.

Haveria muita coisa a dizer. A primeira, sobre a excelência das cópias de Rouch. Resplandecentes. Encantadoras, como as imagens africanas de Mammy Water e da Caça ao Leão. O ritualismo, captado por Rouch, exerce mais que fascínio sobre nós – é encantatório. Como disse dele o professor Matheus Araújo, “Rouch era capaz de filmar o que havia de melhor nas pessoas”. Não apenas, claro. Voltaremos a Rouch no decorrer do festival.

Gostei do chinês A Feiticeira Viúva, com seu tom de realismo mágico, suas alternâncias de cores e preto e branco numa visão da China com a qual não estamos acostumados.

O Foco Janie Geiser (vários curtas-metragens) revelou uma cineasta em diálogo com as artes visuais, que evita o cinema narrativo preferindo uma arte alusiva e de sensações. Curioso, durante a apresentação dos filmes pensei em um texto que reli há pouco, Contra a Interpretação, de Susan Sontag. Um texto contra a ditadura da busca do significado, em especial na crítica de artes. No diálogo pós-filme com a diretora, a crítica e pesquisadora Carol Almeida citou justamente esse texto para começar sua conversa com Janie. Sintonias…