As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Notícias do Che

Luiz Zanin Oricchio

11 de dezembro de 2006 | 12h21

Na convivência com Tristán Bauer, o diretor argentino de Iluminados por el Fuego, sobre a guerra das Malvinas, descobri que seu novo projeto tem um personagem muito especial – Ernesto Che Guevara. Bauer e eu estamos no mesmo júri de ficção aqui em Havana e temos conversado muito sobre cinema e outros temas. Me falou com entusiasmo desse projeto, ele que gosta de se dedicar a grandes personagens como o escritor Julio Cortázar, sobre quem fez um documentário em 1994.

Segundo Bauer, que já percorreu a grande bibliografia sobre o Che, a melhor biografia seria a de Jon Lee Anderson. Conversei sobre isso com ele, mesmo porque, por coincidência, vim lendo no avião para cá a biografia A Vida em Vermelho, do mexicano Jorge Castañeda, que participou do governo Fox e por isso não pode ser acusado de cegueira ideológica à esquerda. O livro me pareceu bastante completo, inclusive pela análise do período em que Guevara foi ministro da Indústria de Cuba. Mas Bauer, que deve saber muito mais do que eu sobre o personagem, me assegurou que a de Anderson é mais completa em termos de documentação.

E, por falar em documentos inéditos, Bauer me disse que conseguiu papéis do Che da época da Bolívia, país em que foi assassinado em 1967. “Ele escrevia o tempo todo”, diz Bauer, contando que os Diários da Bolívia, há muito publicados, são apenas parte do o guerrilheiro colocou no papel naquele tempo.

Disse a Bauer do prazer que havia experimentado, recentemente, ao ler o ensaio de Ricardo Piglia sobre o “Che leitor”, texto que procura mostrar como o destino de Guevara foi influenciado por suas leituras, ele que era um leitor obsessivo. Bauer me disse que seu filme deverá tomar a forma de um “Che escritor”, pois este aspecto, segundo o cineasta, também foi determinante para o modo de vida que escolheu e que por fim o matou.

Bauer contará ainda com outros documentos até agora desconhecidos e que lhe foram fornecidos por Aleida, a filha cubana de Che Guevara. Mal posso esperar para ver este filme.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.