Mostra 2021: Filme da Costa Rica leva prêmio principal
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mostra 2021: Filme da Costa Rica leva prêmio principal

Luiz Zanin Oricchio

04 de novembro de 2021 | 14h03

 

Para surpresa dos cinéfilos, Clara Sola, de Nathalie Álvares Mesén, levou o principal prêmio na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Jamais ouvi, nas antessalas dos cinemas, qualquer menção a esse longa. Cabe conferir.

Sobre os outros premiados, ponho minha mão no fogo – Compartiment nº 6, Urubus, O Compromisso de Hasan e A Felicidade das Coisas e O Melhor Lugar do Mundo, são todos filmes de excelente qualidade. Fizeram, junto a outros não premiados, a matéria-prima de uma Mostra de boa cepa, realizada em formato híbrido.

Tudo terminou? Ainda não. Cinquenta títulos continuam em cartaz no streaming pela plataforma Mostra Play, até domingo, dia 7/11.  Algumas indicações pontuais:

Brighton 4th (Geórgia). Kakhi, um ex-campeão de luta livre, sai da Georgia para morar com o filho nos Estados Unidos. Lá descobre que o rapaz contraiu uma grande dívida com um mafioso local e corre perigo de vida 

Eu quero falar sobre Duras (França). História do amor entre uma grande escritora, Marguerite Duras, e um jovem admirador, Yann, 40 anos mais jovem. 

O Atlas dos Pássaros (República Checa). O sumiço de dinheiro em uma empresa cria uma cadeia de suspeitas. Enquanto o proprietário, Ivo Rona, busca os culpados, a contadora da firma, Marie, desaparece. 

Os Intranquilos (Bélgica). Apesar de sofrer de distúrbio bipolar, o pintor Damien tenta seguir a vida normal com a esposa e o filho. Mas a família é perturbada por suas crises. 

Lua Azul (Romênia). Uma experiência sexual ambígua leva Iriana a lutar para chegar ao ensino superior e escapar da violência de sua família problemática. 

 

OS PREMIADOS

. “Clara Sola”, de Nathalie Álvarez Mesén (Costa Rica e Suécia) – melhor filme pelo júri oficial, melhor atriz (Wendy Chinchila Araya), Prêmio Brada de melhor direção de arte (Amparos Baeza e Agustin Moreau)

. “Compartment no. 6” (Cabine Número 6) – de Juho Kuosmanen (Finlândia e Rússia) – melhor ator para o russo Yuri Borisov

. “Urubus”, de Cláudio Borrelli (Brasil) — Prêmio da Crítica de melhor filme brasileiro, Prêmio do Público de melhor ficção brasileira

. “Pequena Palestina, Diário de um Cerco”, de   Abdallah Al-Katib (Líbano, França, Catar) – Menção honrosa do Júri Oficial

. “O Compromisso de Hasan”, de Semi Kaplanoglu (Turquia) –  Prêmio da Crítica para melhor filme internacional

. “A Felicidade das Coisas”, de Thaís Fujinaga — Prêmio Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema) para melhor filme de jovens realizadores (até segundo longa)

. “O Melhor Lugar do Mundo”, de Caco Ciocler (Brasil) – Prêmio do Público de melhor documentário brasileiro

. “Onoda, Dez Mil Noites na selva”, de Arthur Harari (França, Japão) – Prêmio do Público para melhor ficção internacional