As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Morreu Wilson Martins

Luiz Zanin Oricchio

31 de janeiro de 2010 | 19h06

Ele se dizia “o último crítico literário”. Morreu sábado, em Curitiba, aos 88 anos.

Martins era autor de uma monumental História da Inteligência Brasileira e de A Crítica Literária no Brasil, uma história dessa atividade. Teve carreira acadêmica mas se notabilizou como crítico de jornal, os famosos “rodapés”.

Fazia crítica a quente, à medida em que os livros saiam e a distinguia do ensaísmo universitário, que trabalha com recuo de tempo considerável e se ocupa do já consagrado.

Como todo crítico de personalidade, errou e acertou muito. Mas é isso que vale: movimentar ideias. Ter uma opinião e estofo para fundamentá-la.

A primeira parte é fácil. Opinão todo mundo tem, ainda mais hoje, pela internet. Já a segunda é mais difícil. Formação é trabalho de uma vida inteira.

E Martins dizia outra coisa: o crítico só existe quando tem um leitor cúmplice, interessado naquele assunto, culto ele próprio e que forma opinião cotejando a sua com a do crítico.

Ninguém precisa concordar com um crítico. Ele está lá para movimentar ideias e não para sedimentar certezas. Com todas as ressalvas que se possam fazer a Martins, ele cumpriu essa função como poucos.

Escrevi uma vez alguma coisa a respeito de Martins e ele me mandou um cartão em agradecimento. Nunca nos conhecemos pessoalmente. Sempre o li com interesse, mesmo discordando. Melhor discordar de quem tem brilho próprio do que concordar com gente amorfa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.