Morre Raoul Coutard, o maior diretor de fotografia da nouvelle vague
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Morre Raoul Coutard, o maior diretor de fotografia da nouvelle vague

Raoul Coutard, que morreu aos 92 anos, foi o grande fotógrafo da nouvelle vague francesa, tendo deixado seu nome sobretudo nos créditos dos filmes de Godard

Luiz Zanin Oricchio

08 Novembro 2016 | 23h55

Jean-Paulo Belmondo e Jean Seberg em 'Acossado'

Jean-Paulo Belmondo e Jean Seberg em ‘Acossado’, obra-prima de Jean-luc Godard fotografada por Raoul Coutard

2016 está sendo cruel com o cinema, em particular com os gênios da direção de fotografia. Outro dia foi-se o nosso Dib Lutfi, símbolo da câmera na mão do Cinema Novo. Hoje, recebemos a notícia da morte de Raoul Coutard, sinônimo de direção de fotografia da nouvelle vague francesa. Tinha 92 anos.

Coutard assina alguns dos principais filmes do novo cinema francês, que, na passagem dos anos 1950 para os 1960, revolucionou não apenas a maneira de fazer filmes em seu país mas em todo o mundo.

Seu nome é mais ligado ao de Jean-Luc Godard, o genial franco-suíço, último remanescente do grupo inicial da nouvelle vague. Com Godard, Coutard fez filmes como Acossado, Band à Part, Pierrot le Fou, Alphaville, Week End à Francesa, Duas ou Três Coisas que Eu Sei Dela, Passion, Prenome: Carmem.

Mas trabalhou também com Truffaut, assumindo a direção de fotografia de filmes importantes como Jules e Jim, A Noiva Estava de Preto e Atire no Pianista, um diálogo com o cinema noir. Dirigiu também a fotografia de Z, um dos mais famosos filmes do franco-grego Costa-Gavras.

Enfim, foi homem de importância ímpar no cinema mundial. Em Acossado, em especial, definiu uma técnica de câmera na mão que aproximava o filme de ficção do clima de uma reportagem policial. Dizem que teria filmado desse jeito por instrução do próprio Godard, que queria dar um tom “jornalístico” à sua ficção.

Mas talvez seu trabalho mais lindo seja em O Desprezo, adaptado de Alberto Moravia, e que alguém já definiu como um notável documentário sobre o corpo de Brigitte Bardot.

——-—————-

 

 

Blog alternativo: https://luizzanin7.wordpress.com

O blog está nas redes sociais:

No Face: https://www.facebook.com/luiz.zanin.7

Página no Face: https://www.facebook.com/blogdozanin/

Twitter: @lzanin