‘Missão 115’: o atentado que acabou com o regime militar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Missão 115’: o atentado que acabou com o regime militar

Em documentário, Silvio Da-Rin volta ao atentado de radicais de direita que pretendiam bloquear o processo de abertura. O filme é uma advertência para os dias de hoje

Luiz Zanin Oricchio

27 de agosto de 2018 | 15h57

Em Missão 115, Silvio Da-Rin disseca o rumoroso caso do Rio Centro que, para muitos historiadores, precipitou o fim do regime civil-militar iniciado em abril de 1964. O país vivia sob a presidência de mais um general, João Batista Figueiredo, designado por seu antecessor, Ernesto Geisel. Figueiredo deveria dar continuidade à política de Geisel de abertura democrática “lenta, gradual e segura”. No entanto, havia cisões no interior do regime. E os da linha dura tentavam melar o processo consentido de redemocratização.

Foi num desses atos – o atentado fracassado durante um show de música dia 30 de abril de 1981 no Rio Centro – que os radicais fizeram o contrário do que pretendiam, liquidando um regime já enfraquecido. A ideia era provocar pânico no público do show e jogar a culpa nos comunistas, inviabilizando assim o processo de abertura. O plano falhou quando a bomba que haviam preparado explodiu no próprio carro dos terroristas – um Puma – matando um deles e deixando o outro gravemente ferido.

A apuração do atentado, uma farsa ridícula, enfraqueceu o presidente e abriu caminho para a redemocratização, que se concretizaria em 1985.

O mérito do documentário de Silvio Da-Rin é o reconstituir os bastidores desse episódio e mostrar como são frágeis e manipuláveis as instituições brasileiras. O que dá ao filme não apenas interesse histórico, mas total atualidade.