As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Michael Jackson

Luiz Zanin Oricchio

25 de junho de 2009 | 20h28

Me abstenho de grandes comentários sobre a morte de Michael Jackson porque conheço pouco de sua obra e nem tinha grande interesse pelo personagem. Mas, como vivemos num mundo midiático, era impossível ficar alheio a ele, seus problemas, a vinda ao Brasil, a auto-deformação física a que se impôs. Achava-o, assim meio sem pensar, um retrato um tanto expressionista da nossa época, de paraísos artificiais, futilidade levada à loucura, em que a aparência se forja segundo algum insondável modelo. Eu via Michael na TV e pensava em certos filmes de David Cronenberg, ou David Lynch. Mundo freak. Aquilo tudo cheirava a morte prematura. E assim se deu. Dá pena mesmo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: