As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Hymne à l’Amour

Luiz Zanin Oricchio

27 Fevereiro 2008 | 16h55

O post sobre Piaf, Dalva de Oliveira, Wilma Bentivegna, etc. me fez exercitar a veia romântica. Houve quem se queixasse da versão brasileira para a letra da canção, então tomei a liberdade de colocar abaixo as palavras originais. São de um romantismo a toda prova, como podem comprovar.

Na letra de Piaf, um verso sempre me impressionou. Quando a pessoa que canta diz o que seria capaz de fazer pelo ser amado, há um verso assim: “Je renierais ma patrie/si tu me le demandais”. Bem, quem conheceu os franceses, pelo menos os de décadas atrás, sabe o que significa “renegar minha pátria”. Nunca foram de ligar para essa frase feita do Doutor Johnson, para quem a pátria é o último refúgio dos patifes, e que sempre soou como música no ouvido dos entreguistas de várias gerações. Enfim, pátria, na França, era coisa muito séria, e Piaf sabia o que estava fazendo ao escrever esse verso.

O engraçado é que tal dose de romantismo (alguém diria: de sentimentalismo) foi usada, e muito bem, no filme de um diretor que pode ser acusado de tudo, menos de concessões melodramáticas. Falo de Julio Bressane e do seu magnífico Filme de Amor. A canção de Piaf é usada na seqüência final, quando os erotômanos de fim de semana retomam suas atividades cotidianas, no centro do Rio. Me lembro de ter tido uma epifania com essas cenas finais as primeiras vezes que as vi. Agora, não me lembro se a versão de Hino ao Amor usada no filme era cantada por Dalva de Oliveira ou Wilma Bentivegna. Acho que era Dalva, mas não tenho certeza. Alguém aí se lembra?

Le ciel bleu sur nous peut s’effondrer
Et la terre peut bien s’écrouler
Peu m’importe si tu m’aimes
Je me fous du monde entier
Tant qu’l’amour inond’ra mes matins
Tant que mon corps frémira sous tes mains
Peu m’importent les problèmes
Mon amour puisque tu m’aimes

J’irais jusqu’au bout du monde
Je me ferais teindre en blonde
Si tu me le demandais
J’irais décrocher la lune
J’irais voler la fortune
Si tu me le demandais

Je renierais ma patrie
Je renierais mes amis
Si tu me le demandais
On peut bien rire de moi
Je ferais n’importe quoi
Si tu me le demandais

Si un jour la vie t’arrache à moi
Si tu meurs que tu sois loin de moi
Peu m’importe si tu m’aimes
Car moi je mourrai aussi
Nous aurons pour nous l’éternité
Dans le bleu de toute l’immensité
Dans le ciel plus de problèmes
Mon amour crois-tu qu’on s’aime
Dieu réunit ceux qui s’aiment