As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Hotel Mekong’

Luiz Zanin Oricchio

18 de maio de 2014 | 22h06

É mais fácil soletrar o nome de Apichatpong Weerasethakul que encontrar alguma unanimidade acerca do seu cinema. Queridinho da crítica, digamos, mais avançada, o tailandês desperta resistências entre pensadores respeitáveis. O crítico Michel Ciment, por exemplo, diretor da tradicional (e ótima) revista Positif, o considera mais um pintor que um cineasta de verdade. Perguntado uma vez sobre ‘Tio Boonmee – Que Podia Lembrar Suas Vidas Passadas’ , filme com que Apichatpong venceu a Palma de Ouro em Cannes, Ciment limitou-se a dizer: “Ficaria melhor num museu que numa tela de cinema”.

Leia o artigo completo:

http://www.estadao.com.br/noticias/arte-e-lazer,novo-filme-de-apichatpong-reespiritualiza-o-mundo,1167272,0.htm

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: