As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Horrores da projeção digital: a Rain responde

Luiz Zanin Oricchio

19 de outubro de 2009 | 23h17

Amigos, a respeito dos problemas das projeções digitais, recebi no blog a seguinte mensagem da gerência de marketing da Rain, que transcrevo abaixo:

“Parabenizamos a iniciativa do autor do manifesto publicado no blog da revista Moviola e aproveitamos a oportunidade para esclarecer alguns dos pontos mencionados.
Entendemos que o grande fato gerador tem sido as exibições em Festivais, notadamente o Festival do Rio e Mostra de São Paulo que são as maiores portas de acesso aos filmes independentes do Brasil.

No último Festival do Rio foram exibidos mais de 300 títulos. Destes, 19% foram filmes efetivamente digitalizados e exibidos em HD (alta definição), respeitando a janela e a velocidade da master do filme entregue à Rain por distribuidores ou pelo Festival. A Rain, no processo de digitalização, não realiza qualquer alteração de janelas, de aspect ratio, velocidade ou canais de áudio.

Para 60% dos títulos exibidos excepcionalmente em festivais o formato é eletrônico, ou seja, por caráter logístico e/ou econômico, os filmes são exibidos a partir de fitas. Por decisão dos festivais, mais uma vez logística e/ou econômica, o formato mais comumente adotado são fitas DVCam, o que, na maioria dos casos gera perda de qualidade por conta da menor resolução de imagem, da compressão de cor e da capacidade de reprodução de áudio restrita a 2 canais.

A grande diversidade de materiais oriundos de diversas partes do mundo com formatos de diferentes velocidades e resolução gera um enorme problema técnico aos organizadores do Festival que não poderiam contar com diversos players de diversos formatos para cada sala. Acrescente a isso o fato de muitos diretores e produtores se aproveitarem do formato em fita para enviar filmes que ainda não estão em seu corte final ou sem masterização para testar a receptividade de seus filmes durante os festivais, além de possibilitar que ele possa “viajar” de maneira econômica. Esta dinâmica é fruto do momento de transição que o mercado do audiovisual está passando. E seguirá evoluindo nos próximos anos.

A Rain preza pela manutenção da qualidade da master entregue e estipula as especificações claras em seu site:
http://www.rain.com.br/Publicos/SeuFilmeEmDigital/Pages/ESPECIFICAÇÕESPARAENTREGASDECONTEÚDO.aspx

Obrigada pela oportunidade de esclarecimento.

Danielle Callas – Gerente de Marketing da Rain”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.