‘Homens que Jogam’ vence o 7º Olhar de Cinema
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Homens que Jogam’ vence o 7º Olhar de Cinema

Filme esloveno croata, que fala do espírito lúdico, vence o festival curitibano, que teve cerimônia de encerramento marcada por manifestações a favor do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, preso na cidade

Luiz Zanin Oricchio

14 Junho 2018 | 01h20

 

CURITIBA

E tudo acabou bem no 7º Olhar de Cinema com a vitória do esloveno-croata ‘Homens que Jogam’ na principal mostra competitiva. O filme de Matjaz Ivanisin revela, com espírito esportivo, o “homo ludens” que todos temos dentro de nós, embora às vezes a aspereza da vida reprima esse centro saudável de espírito infantil. O fenômeno esportivo tem lugar na obra, como a consagradora vitória de um tenista do país, o croata Goran Ivanisevic no Torneio de Wimbledon de 2001.

Mas outros jogos, digamos, mais exóticos, também têm seu espaço, como lutadores turcos com os corpos untados de óleo, o arremesso de queijos num vilarejo da Sicília, ou o jogo do “morra”, um par ou ímpar sofisticado que um dos adeptos classifica como mais complicado que o xadrez e mais exaustivo que o futebol.

O brasileiro Sol Alegria, de Tavinho Teixeira, um revival do espírito libertário dos anos 1970,  ficou com o Prêmio Especial do Júri. E o belo documentário Boa Sorte, de Ben Russell, sobre trabalhadores em mineração na Sérvia e no Suriname, ficou com o Prêmio de Contribuição Artística.

A cerimônia foi marcada pelo protesto político dos participantes do festival contra a prisão de Luis Inácio Lula da Silva, que se encontra detido na PF de Curitiba. Literalmente todos os premiados subiram ao palco para receber seus troféus com faixas de “Lula Livre” e falaram contra a prisão do ex-presidente. Até mesmo estrangeiros se manifestaram. Como o diretor francês do curta A Estranha História do Príncipe Dethmer, que enviou um “Fora Temer” diretamente de Paris em seu vídeo de agradecimento.

Depois da premiação foi exibido o documentário Meu Nome É Daniel, dirigido e “interpretado” por Daniel Gonçalves. Ele conta sua própria história. Nascido com uma síndrome misteriosa, e até hoje não diagnosticada, tem problemas motores e de fala desde a infância. Conquistou a todos já na apresentação ao dizer que não queria contar nenhuma história edificante ou “de superação”. Apenas uma história humana.

Vivida com muita tenacidade e também senso de humor, qualidade que ajuda muito na vida, em particular em situações difíceis. Como a família filmou e gravou muito o desenvolvimento do menino, na hora em que ele quis refazer sua história teve à disposição  material abundante. Mescla com imagens do presente e uma narração off com muito senso de humor e observação aguda, tanto dos outros como de si mesmo.

A consagração do público foi total: vários minutos de aplausos em pé.

Abaixo, a premiação completa:

 

Competitiva

 

Prêmio Olhar de Melhor Filme

HOMENS QUE JOGAM

/ Playing Men

Matjaž Ivanišin

 

Prêmio Especial do Júri

SOL ALEGRIA

/ Sol Alegria

Tavinho Teixeira, Mariah Teixeira

 

Prêmio de Contribuição Artística

BOA SORTE

/ Good Luck

Ben Russell

 

Prêmio Olhar de Melhor Filme Curta-Metragem

A ESTRANHA HISTÓRIA DO PRÍNCE DETHMER

/ L’étrange histoire de Prince Dethmer

Corto Vaclav, Hadrien La Vapeur

*Menção Especial: ELES VÊM AÍ! (¡Allá Vienen!), Ezequiel Reyes

 

Prêmio do Público

FABIANA

/ Fabiana

Brunna Laboissière

 

Outros Prêmios

 

Prêmio de Melhor Filme da mostra Novos Olhares

POR DETRÁS DAS CORTINAS

/ Derrière les Volets

Messaline Raverdy

 

Prêmio de Melhor Filme da mostra Outros Olhares

NOSSA CASA

/ Watashitachi no ie

Yui Kiyohara

 

Prêmio Olhares Brasil |Longa (Melhor longa-metragem brasileiro)

O CHALÉ É UMA ILHA BATIDA DE VENTO E CHUVA

/ O Chalé é Uma Ilha Batida de Vento e Chuva

Letícia Simões

 

Prêmio Olhares Brasil | Curta (Melhor curta-metragem brasileiro)

MARÉ

/ Maré

Amaranta Cesar

*Menção Especial: Estamos todos aqui, Chico Santos e Rafael Mellim

 

Prêmios Parceiros

 

Prêmio da Crítica / Abraccine

ANSIOSA TRADUÇÃO

/ Nervous Translation

Shireen Seno

 

Prêmio AVEC-PR (Melhor curta-metragem da mostra Mirada Paranaense)

ACIMA DA LEI

/ Acima da Lei

Diego Florentino

*Menção Especial: Lui, Denise Kelm