As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Hino ao Amor

Luiz Zanin Oricchio

26 Fevereiro 2008 | 19h44

Uma leitora, Maria Luiza, manda e-mail sobre a versão nacional de Hino ao Amor, a canção francesa interpretada por Edith Piaf e criada por ela própria com Marguerite Monnot. No texto sobre o Oscar, escrevi que a música fora gravada, em versão brasileira, por Dalva de Oliveira. A leitora diz que se lembra da música na voz de Wilma Bentivegna.

Sabe quem tem razão? Nós dois. Ambas gravaram a versão brasileira, que é de autoria de Odair Marzano.

E sabe quem mais a gravou, além de Dalva e Wilma? Ninguém menos que Vanusa.

Vejam como ficou a letra, em português:

Hino ao Amor
letra de Edith Piaf, música de Marguerite Monnot, versão de Odair Marzano)

Se o azul do céu escurecer
E a alegria na terra fenecer,
Não importa, querido,
Viverei do nosso amor!

Se tu és o sonho dos dias meus,
Se os meus beijos sempre foram teus,
Não importa, querido,
O amargor das dores desta vida!

Um punhado de estrelas
no infinito irei buscar
E a teus pés esparramar,
Não importa os amigos,
risos, crenças e castigos,
Quero apenas te adorar!

Se o destino, então, nos separar,
Se distante a morte te encontrar,
Não importa, querido,
Porque eu morrerei também!
Um punhado de estrelas
no infinito irei buscar
E a teus pés esparramar!
Não importa os amigos
Risos, crenças e castigos,
Quero apenas te adorar!

Quando, enfim, a vida terminar
E dos sonhos nada mais restar,
Num milagre supremo,
Deus fará no céu te encontrar!