As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Globo de Ouro 2015. Alguns favoritos já em cartaz

Luiz Zanin Oricchio

06 Janeiro 2015 | 18h48

Birdman, filme com maior número de indicações ao Globo de Ouro (indicado em sete categorias) entra em cartaz em breve. Estreia dia 29. Mas o segundo colocado, com cinco indicações, Boyhood, está em cartaz. Ele divide o posto com O Jogo da Imitação, que ainda não pintou nas telas brasileiras e também está prometido para dia 29.

Os outros candidatos ao Globo de Ouro, que já estrearam no Brasil, atestam a boa qualidade da competição deste ano. Grande Hotel Budapeste, que concorre a melhor filme, é, possivelmente, o melhor trabalho de Wes Anderson. O Abutre deve dar a estatueta a Jake Gyllenhaal. É tão favorito quanto Reese Whiterspoon, por seu papel em Livre, que entra em cartaz dia 15. Concorrendo ao melhor filme estrangeiro, o polonês Ida, tido como favorito não apenas ao prêmio dos correspondentes de Hollywood, como ao próprio Oscar. Mas, cá entre nós, para confirmar esse favoritismo (bastante beneficiado pelo tema do Holocausto), terá de passar por cima do (sem trocadilho) peso-pesado que é o russo Leviatã.

De qualquer forma, e seja qual for o resultado, o concurso deste ano fica marcado por essa obra incomum que é Boyhood – da Infância à Juventude, de Richard Linklater. Se nele existe algo de espetacular é a própria disposição do projeto, trabalhado ao longo de anos, filmando os mesmos personagens, enquanto envelhecem e se desenvolvem. Um processo moroso, cheio de minúcia e paciência, algo tão inusitado em nosso tempo de pressa e precariedade que, só por isso, mereceria destaque. Mas a questão é que o resultado é muito bom, mesmo seu projeto de flagrar o próprio fluxo do tempo, o devir humano, seja condenado ao fracasso de antemão.

O curioso é que Linklater tenta o impossível que seria filmar o tempo, utilizando personagens absolutamente comuns, gente que se encontra pela rua e nada tem de notável. Ou, por outro lado, reafirma que toda pessoa, quando vista por um olhar humanista, revela-se de uma riqueza e de uma complexidade insuspeitas. Foi um dos belos filmes do ano passado e tem recebido prêmios da crítica mundo afora.

Abutre, que pode consagrar  Jake Gyllenhaal é também, a seu modo, um filme invulgar. Gyllenhaal é apenas um biscateiro qualquer que consegue se reciclar num mundo competitivo e se transformar num bem-sucedido caçador de imagens chocantes, que vende às Tvs. Essa forma de “empreendedorismo” é bastante estimulada pela mídia sensacionalista e o filme faz uma crítica aguda da sociedade em que esperteza e desumanidade deixam de ser defeitos e passam a ser méritos. É raro, mas não impossível, que a crítica ao sistema venha do coração do próprio sistema. Quando Birdman, do mexicano Alejando González Iñarrítu estrear o público poderá conferir algo também desta natureza. Trabalhando em chave cômica, Iñarritu debate por sua vez as questões da fama a qualquer preço e como ela cobra caro a glória de antigos ídolos, como acontece com o personagem vivido por Michael Keaton.

Por esses poucos títulos, nota-se que o colegiado do Globo de Ouro, pelo menos em parte, optou por filmes de qualidade, muito destoantes do ramerrão comercial, feito para durar uma temporada e ser esquecido.

Os indicados:


Melhor filme – Drama

“Boyhood”
“Foxcatcher”
“O jogo da imitação”
“Selma”
“A teoria de tudo”
Melhor filme – Comédia ou musical
“Birdman”
“O grande hotel Budapeste”
“Caminhos da floresta”
“Pride
“Um santo vizinho”

Melhor atriz – Drama
Jennifer Aniston (“Cake”)
Felicity Jones (“A teoria de tudo”)
Julianne Moore (“Still Alice”)
Rosamund Pike (“Garota exemplar”)
Reese Witherspoon (“Livre”)

Melhor ator – Drama
Steve Carell (“Foxcatcher”)
Benedict Cumberbatch (“O jogo da imitação”)
Jake Gyllenhaal (“O abutre”)
David Oyelowo (“Selma”)
Eddie Redmayne (“A teoria de tudo”)

Melhor atriz – Comédia ou musical
Amy Adams (“Big eyes”)
Emily Blunt (“Caminhos da floresta”)
Helen Mirren (“A 100 passos de um sonho”)
Julianne Moore (“Mapa para as estrelas”)
Quvenzhané Wallis (“Annie”)

Melhor ator – Comédia ou musical
Ralph Fiennes (“O grande hotel Budapeste”)
Michael Keaton (“Birdman”)
Bill Murray (“Um santo vizinho”)
Joaquin Phoenix (“Vício inerente”)
Christoph Waltz (“Big eyes”)

Melhor ator coadjuvante
Robert Duvall (“O juiz”)
Ethan Hawke (“Boyhood”)
Edward Norton (“Birdman”)
Mark Ruffalo (“Foxcatcher”)
J.K. Simmons (Whiplash”)

Melhor atriz coadjuvante
Patricia Arquette (“Boyhood”)
Jessica Chastain (“A Most Violent Year”)
Keira Knightley (“O jogo da imitação”)
Emma Stone (“Birdman”)
Meryl Streep (“Caminhos da floresta”)

Melhor diretor
Wes Anderson (“O grande hotel Budapeste”)
Ava Duvernay (“Selma”)
David Fincher (“Garota exemplar”)
Alejandro González Iñárritu (“Birdman”)
Richard Linklater (“Boyhood”)

Melhor roteiro
Wes Anderson (“O grande hotel Budapeste”)
Gillyan Flinn (“Garota exemplar”)
Alejandro González Iñárritu (“Birdman”)
Richard Linklater (“Boyhood”)
Graham Moore (“O jogo da imitação”)

Melhor animação
“Operação Big Hero”
“Festa no céu”
“Os Boxtrolls”
“Uma aventura Lego”
“Como treinar seu dragão 2”

Melhor filme estrangeiro
“Força Maior” (Suécia)
“Gett” (Israel, Alemanha, França)
“Ida” (Polônia)
“Leviatã” (Rússia)
“Tangerines” (Estônia)

Melhor trilha original
Johann Johannsson – “A teoria de tudo”
Alexandre Desplat – “O jogo da imitação”
Trent Reznor & Atticus Ross – “Garota exemplar”
Antonio Sanchez – “Birdman”
Hans Zimmer – “Interestelar”

Melhor canção original
“Big Eyes” – “Big Eyes” (Lana Del Ray)
“Glory” – “Selma” (John Legend, COmmon)
“Mercy Is” – “Noé” (Patty SMith, Lenny kaye)
“Opportunity” – “Annie”
“Yellow Flicker Beat” – “Jogos Vorazes: A esperança – Parte 1” (Lorde)

TV

Melhor série de TV – Drama
“The affair”
“Downton Abbey”
“Game of thrones”
“The good wife”
“House of cards”

Melhor série de TV – Musical ou comédia
“Girls”
“Jane the virgin”
“Orange is the new black”
“Silicon valley”
“Transparent”

Melhor atriz em série de TV – Drama
Claire Danes (“Homeland”)
Viola Davis (“How to get away with murder”)
Julianna Margulies (“The good wife”)
Ruth Wilson (“The affair”)
Robin Wright (“House of cards”)

Melhor ator em série de TV – Drama
Clive Owen (“The Knick”)
Liev Schreiber (“Ray Donovan”)
Kevin Spacey (“House of cards”)
James Spader (“The blacklist”)
Dominic West (“The affair”)

Melhor atriz em série de TV – Comédia ou musical
Lena Dunham (“Girls”)
Edie Falco (“Nurse Jackie”)
Julia Louis-Dreyfus (“veep”)
Gina Rodriguez (“Jane the virgin”)
Taylor Schilling (“Orange is the new black”)

Melhor ator em série TV – Comédia ou musical
Louis C.K. (“Louie”)
Don Cheadle (“House of lies”)
Ricky Gervais (“Derek”)
William H. Macy (“Shameless”)
Jeffrey Tambor (“Transparent”)

Melhor minissérie ou filme para TV
“Fargo”
“The Missing”
“The normal heart”
“Olive Kitteridge”
“True detective”

Melhor atriz em minissérie ou filme para a TV
Maggie Gyllenhaal (“The honorable woman”)
Jessica Lange (“American horror story”)
Frances Mcdormand (“Olive Kitteridge”)
Frances O’Connor (“The missing”)
Allison Tolman (“Fargo”)

Melhor ator em minissérie ou filme para a TV
Martin Freeman (“Fargo”)
Woody Harrelson (“True detective”)
Matthew McConaughey (“True detective”)
Mark Ruffalo (“The normal heart”)
Bob Thornton (“Fargo”)

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV
Uzo Aduba (“Orange is the new black”)
Kathy Bates (“American horror story”)
Joanne Froggatt (“Downton Abbey”)
Allison Janney (“Mom”)
Michelle Monaghan (“True detective”)

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie ou filme para a TV
Matt Bomer (“The normal heart”)
Alan Cumming (“The good wife”)
Colin Hanks (“Fargo”)
Bill Murray (“Olive Kitteridge”)
Jon Voight (“Ray Donovan”)