Freud, a Gestapo e Léo Pinheiro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Freud, a Gestapo e Léo Pinheiro

Para conseguir se exilar, Freud foi obrigado a escrever uma carta dizendo que fora bem tratado pelas autoridades nazistas

Luiz Zanin Oricchio

05 de julho de 2019 | 13h16

Ao ler a carta de Léo Pinheiro, na qual afirma não ter sido coagido a nada na Lava-Jato, lembrei de um episódio antigo. 

Nas vésperas da 2ª Guerra Mundial, ao ser obrigado a se exilar na Inglaterra, Sigmund Freud precisou se submeter a várias exigências do governo nazista para sair de Viena, onde morava e exercia a profissão em seu célebre consultório psicanalítico. Entre as exigências, deveria escrever e assinar uma carta afirmando que não fora maltratado pelas autoridades. 

Velho e doente, Freud escreveu a tal carta, mas encontrou energia suficiente para nela inserir uma frase irônica, na qual “recomendava a todos o tratamento dispensado pela Gestapo”. A frase, claro, inviabilizou  a carta para efeitos propagandísticos de um governo autoritário, prestes a lançar o mundo num banho de sangue, mas que, àquela altura, ainda procurava manter as aparências. 

Não sei o que aconteceu com Léo Pinheiro, nem sei quais são as condições exigidas para que sua delação seja aceita. Não sei também se é dotado do dom da ironia, arte, aliás, bastante desvalorizada hoje em dia. Também nada sei sobre dignidade humana, virtude antiga, hoje igualmente desprezada. 

Tudo o que sabemos sobre:

FreudLéo PinheiroGestapoLava-Jato

Tendências: