Facebook: o algoritmo que leu Kafka
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Facebook: o algoritmo que leu Kafka

Luiz Zanin Oricchio

22 de março de 2020 | 19h57

Três dias atrás fui postar um link e o Face me avisou que eu estava bloqueado e só voltaria ao ar domingo à tarde, hoje.

Justificativa: algumas pessoas haviam denunciado as minhas postagens como “abusivas”.

Não dizia quem eram essas pessoas e nem quais eram essas postagens.

Por curiosidade, dei uma olhada nos meus últimos posts, e achei-os de uma inocência quase indecorosa: comentários de filmes, uma espécie de diariozinho da quarentena, coisas assim.

A não ser que um video do panelaço anti-Bozo aqui no meu bairro tenha ofendido vocês sabem quem.

O fato é que, nessa rede associal, alguém que discorda de você te denuncia como forma de te calar e pronto, o serviço está feito.

Conclusão: esta plataforma nada tem de democrática ou transparente. Afinal, se alguma postagem foi considerada abusiva, você teria, pelo menos, o direito de saber qual foi.

Bem, o coitado do Joseph K. também não sabia o crime de que era acusado em O Processo.

Dito isso, se eu sumir do Face, não se preocupem: é que me bloquearam de vez e fui baixar em outra freguesia.

Tudo o que sabemos sobre:

FacebookcensuraFranz Kafka