As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Eu, Acadêmico…

Luiz Zanin Oricchio

26 Fevereiro 2007 | 10h27

Um leitor me pergunta quais teriam sido meus votos, fosse eu membro da Academia de Hollywood. Eis aí, nas principais categorias:

Melhor filme: Cartas de Iwo Jima
Diretor: Martin Scorsese (Os Infiltrados)
Ator: Peter O’Toole (Vênus)
Atriz: Penélope Cruz (Volver)
Ator coadjuvante: Alan Arkin (Pequena Miss Sunshine)
Atriz coadjuvante: Adriana Barraza (Babel)
Roteiro adaptado: Pecados Íntimos
Roteiro original: Pequena Miss Sunshine
Fotografia: O Labirinto do Fauno
Montagem: Babel

É um voto meio técnico, meio coração. Acho que Cartas de Iwo Jima está um tantinho acima de Os Infiltrados. Mas a direção teria mesmo de ir para Scorsese. A atuação de Peter O’Toole em Vênus é de antologia. A Academia irá levar o pecado de não havê-lo premiado pelos séculos dos séculos, embora o vencedor real, Forest Whitaker, esteja de fato muito bem em O Último Rei da Escócia. Sei que Helen Mirren dá show em A Rainha, mas o que fazer se Penélope Cruz me comove mais em Volver? Alan Arkin era meu favorito como o avô drogadão e liberal de Pequena Miss Sunshine: a minha melhor surpresa com o Oscar foi que ele acabou ganhando mesmo contra o favorito Eddie Murphy. Adriana Barraza não tinha mesmo a menor chance contra a também muito boa Jennifer Hudson de Dreamgirls. Adriana que se conforte com o meu voto. Os roteiros de Pecados Íntimos (adaptado) e Pequena Miss Sunshine (original) me pareceram os mais criativos entre as opções dadas. A fotografia de O Labirinto do Fauno é de fato belíssima e nesse quesito coincidi com os acadêmicos. Na montagem, hesitei um pouco entre Babel e Vôo United 93 – mas fico com o primeiro pelo conjunto da obra.