As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Emmet Ray, ou só a música redime

Luiz Zanin Oricchio

22 de maio de 2014 | 19h15


Outro dia revi Poucas e Boas (Sweet and Lowdown),  que muitos acham um Woody Allen menor (ahahaha!). Desculpem, mas, dado o nível do cinema contemporâneo, uma afirmação desse tipo é para rir mesmo.

Enfim, o filme conta a história de Emmet Ray, numa interpretação brilhante de Sean Pen. Emmet é um estróina bem dotado como músico. Vive à custa de mulheres (é cafetão) e toca guitarra como um deus. Segundo sua opinião, é o melhor do mundo, bem, com a exceção, ele admite, “daquele cigano francês…” Ou seja, Django Reinhardt. No filme, Emmet se envolve com uma garota muda (Samantha Morton), de quem usa e abusa, porque a moça se apaixona por ele. E, talvez, à sua maneira, ele por ela. Enfim, a história prossegue, com a vida errática de Emmet, sempre perseguido pelo fantasma de Django Reinhardt. Emmet está sempre a um passo de Reinhardt, mas nunca chega lá. Até que, por um desses twists da existência, ele consegue…Mas como, isso você vai descobrir vendo o filme, encontrável em DVD.

Poucas e Boas, mais uma homenagem de Allen ao jazz, é dado como recriação da vida do próprio Reinhardt, travestido em seu admirador ficcional, Emmet. Acontece que Emmet Ray de fato existiu. Foi um músico muito famoso em sua época, mas, como tantos, mergulhou no escuro da história, apenas para ser resgatado por Allen. *

Com tudo isso, o filme fica melhor ainda. E nós melhoramos com ele. Porque se existe algo que redime, no caso de precisarmos de remissão, esse algo é a música.

*Apareceu gente afirmando que Emmet é mesmo uma criação ficcional de Woody Allen. Pode ser. Pesquisei e encontrei versões opostas, uma delas no respeitável site de cinema Imdb, que transcrevo num comentário abaixo. Bom, não sei, de fato. Talvez nas entrevistas de Woody a coisa se esclareça, mas acabei de ler as referências ao filme no livro de Eric Lax (Conversas com Woody Allen) e não achei nada conclusivo. Quanto a mim, pouco importa. Achei que a existência “real” de Emmet dava um tom poético adicional a esse belo filme. Como dizem os italianos, “si non è vero, è ben trovato”. 

Tudo o que sabemos sobre:

Django ReinhardtEmmet RayWoody Allen

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: