As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em Paris

Luiz Zanin Oricchio

09 de setembro de 2007 | 16h23

No aeroporto de Veneza encontrei Paloma Rocha e Joel Pizzini. Viemos no mesmo vôo com destino a Paris. Eles fazendo conexão para voltar ao Brasil. Eu fico por aqui mais uns dias, antes de voltar. Tentando me refazer um pouco da maratona que foi Veneza este ano.

Muitos de vocês talvez não acreditem, mas um festival desse tamanho cansa a beleza da gente. Ou o que resta dela. Enfim, foram mais de 40 filmes, alguns com quase três horas de duração, vistos ao longo de 10 dias. É muita coisa, além da capacidade de assimilação humana. Assim, pretendo aproveitar esses dias de folga para pôr no lugar algumas idéias a respeito desse festival.

Desse modo, não estranhem se eu ainda voltar aos filmes de Veneza. Ou ao conjunto deles. Para refletir melhor. Um blog, acho que serve também para isso. Para pensar nas coisas por escrito, tentar organizá-las um pouco com ajuda de supostos interlocutores virtuais. Escreve-se sempre para o Outro, mesmo que a intenção inicial seja deixar o que se escreveu inédito. Ninguém escreve para a gaveta, metaforicamente falando.

Cheguei aqui ao meu hotelzinho na rue St. Séverin, bem na muvuca do Quartier Latin. É onde gosto de ficar, até por uma questão afetiva, pois é como se a Paris antiga ainda sobrevivesse por aqui, embora o que exista mesmo seja uma multidão de turistas de todos os cantos do mundo e restaurantes e bares barulhentos, um atrás do outro. Espero que o isolamento sonoro do hotel seja legal, senão não durmo à noite. Agora mesmo estou ouvindo lá de baixo uns péssimos acordeonistas tocando La Vie en Rose, para gringo ouvir.

Já fui fazer o que gosto. Como cheguei ainda com dia, larguei logo a mala no quarto e fui bater perna ao longo do Sena. É das coisas que mais gosto de fazer por aqui, andar à toa, xeretar nas banquinhas dos bouquinistas, dar uma entrada na Notre-Dame, tomar um sorvete na Île de Saint-Louis. Me sinto em casa. E, pelo menos hoje, não vou pegar um cinema. Será que depois de Veneza eu consigo dormir sem ver pelo menos um filme? Ou vai dar tremedeira, síndrome de abstinência?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.