As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário de Veneza 2012 Carta de amor a Michael Jackson

Luiz Zanin Oricchio

02 de setembro de 2012 | 06h47

Bad 25, de Spike Lee, apresentado fora de concurso em Veneza

 

Não se poderia esperar de Spike Lee um documentário convencional de Bad, álbum famoso de Michael Jackson, que está completando 25 anos de lançamento. E, de fato, não é. O que se pode dizer é que se trata de um filme colossal, feito de muitas vozes e muito som, uma fantástica recriação dos bastidores de um momento privilegiado do pop. Quem poderia fazer tal filme? Apenas Spike Lee, cuja familiaridade com Jackson o levou a filmar o clipe They Don’t Care About Us, no Brasil. Lee esteve em Veneza para o lançamento do filme e conversou com os jornalistas.

Explicou a proposta, que surge com muita clareza na superfície do filme. “A Sony havia proposto algo sobre a música de Michael Jackson, mas eu resolvi fazer algo mais, descobrir o homem, em seus aspectos que a maioria das pessoas desconhece. Desse modo, coloquei o foco mais no processo criativo, aspecto negligenciado quando se fala dele”.

Portanto, três anos depois da morte do rei do pop, Lee tira do bolso um documentário que parece um backstage privilegiado da produção de um álbum, mas também se espraia pela trajetória de Jackson e das ilustres pessoas que o cercaram. O doc é múltiplo, ouve muita gente importante e é montado de maneira muito esperta, recriando uma vida artística diante de nós, na tela. Spike Lee usou de toda a sua influência para rodar o filme. Quem, senão ele, teria acesso a tais personanagens, como Martin Scorsese, Quincy Jones, Mariah Carey, Cee-Lo e tutti quanti. Difícil imaginar.

Há informação. Ficamos sabendo, por exemplo, que Jackson realizou cerca de 60 músicas para escolher as 11 do álbum. Nove são de sua autoria. Várias inéditas sairão no álbum comemorativo dos 25 anos de Bad. Fala-se muito do trabalho exaustivo e obsessivo de Jackson para que tudo soasse espontâneo, como se tivesse lhe vindo fácil. Músicas, empostamento da voz, passos de dança. Tudo era cuidadosamente calculado, ensaiado à exaustão, discutido com músicos e bailarinos (sempre os melhores encontráveis no mercado) para, por fim, serem colocados no álbum. Jackson tinha também o cuidado para que as músicas escolhidas fossem apropriadas para suas apresentações públicas. Há temas que funcionam no estúdio e não fora dele. Jackson gravava como se já estivesse se apresentando diante de 80 mil pessoas num estádio de futebol. Há cenas impressionantes de seu show no Estádio de Wembley, na Inglaterra, em 1988.

“Michael bebia de todas as fontes possíveis”, diz Lee. E sempre andava atrás de água boa. “Marvin Gaye, Fred Astaire, Steve Wonder, Gene Kelly – ele ouvia e via todos eles e os incorporava em seus trabalhos”, diz. Spike Lee sabe que basear-se nos bons autores não é de forma alguma plágio, mas base para sustentar os vôos próprios do artista. Era o que Michael fazia. Trechos de filmes e músicas aparecem no documentário para comprovar essa filiação. “Além do canto havia também a dança e ficamos sabendo que Jackson via atentamente todos os musicais de Vincente Minelli, por exemplo”, diz.

Toda essa rede de influências está lá no filme, tanto nos depoimentos quanto nas imagens que acompanham a fala das pessoas. Por exemplo, vemos Martin Scorsese recordando o clipe que rodou para o álbum Thriller, até hoje o mais vendido. “Aliás, quando conversei com Jackson, não se referia jamais a esses trabalhos como clipes ou vídeos. chamava-os de curtas-metragens, pois achava que eram obras de respeitabilidade artística.”

Portanto, além da informação, há também a tentativa de reconstrução de uma carreira sólida, com ancoragem no soul, e no que de melhor havia na música americana da década. Jackson firmou seu estilo, com a voz adolescente característica, embora tivesse extensão vocal privilegiada de três oitavas, indo até o barítono. Era uma espécie de Peter Pan e sua voz exprimia esse desejo de não crescer – compartilhado por muita gente, o que é uma das chaves do sucesso. De qualquer forma, a impressão causada por Jackson sobre as pessoas que com ele conviveram e trabalharam é muito forte, o que se nota nos depoimentos sobre sua morte precoce.

A própria relação de Spike Lee com seu personagem é feita de afeto. “Cresci com ele, no tempo dos Jackson Five. Usava cabelo afro como ele, só que, ai de mim, não podia nem cantar e nem dançar do mesmo jeito, nem de longe”, lembra Lee. “Espero que as pessoas notem que Bad 25 é uma carta de amor a Michael Jackson”.

A imagem do artista sai supervalorizada desse filme, que evita os preconceitos e julgamentos caricaturais sobre o ídolo. Provavelmente, os fãs vão adorar. E mesmo os que não curtem tanto a obra de Michael Jackson sairão com uma visão enriquecida do artista. Desmistificar preconceitos, expandir a sensibilidade e visão de mundo do espectador é uma das maiores funções de um documentário. Bad 25 é, desde já, um dos grandes filmes já feitos sobre um ídolo e sua obra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.