As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário de Veneza 2010: Amor de outsiders

Luiz Zanin Oricchio

10 de setembro de 2010 | 13h52

A Itália termina sua participação em Veneza com um belo filme – La Solitudine dei Numeri Primi (A Solidão dos Números Primos), de Saverio Costanzo. É o quarto concorrente italiano na mostra principal e talvez seja aquele com maiores chances de ganhar algum prêmio. Conta uma história de amor entre dois seres pouco adaptados às normas, Alice e Mattia. A trama os acompanha ao longo de 20 anos de vida, da infância à juventude, e foi tirada de um romance famoso por aqui, de mesmo título, escrito por Paolo Giordano. Um best-seller, garantem os locais.

Alice e Mattia (interpretados já adultos por Luca Marinelli e Alba Rohrwacher) têm sua vida reconstruída de maneira fragmentária. A ideia de Costanzo é mostrar com idas e vindas a trajetória dos dois outsiders, marcados por tragédias pessoais na infância – um tombo de esqui que deixou Alice com defeito numa perna, a perda da irmã gêmea num acidente por parte de Mattia. A maneira como Costanzo constrói essa história é interessante, evitando a cronologia óbvia e apostando na fragmentação da narrativa. “O relato do livro é mais linear, mas por uma questão de linguagem cinematográfica preferi a alternância de tempos”, diz o diretor. O outro motivo: “Como foi um livro muito lido, presumi que todos já conheciam os elementos principais da história; preferi então me concentrar mais no ‘porquê’ do que no ‘como’.” Ou seja, conhecidos os fatos, busca a motivação dos personagens.

O filme é também um tour de force dos atores. Marinelli engorda e Alba emagrece ao longo do processo. Como se suas tragédias pessoais se inscrevessem em seus corpos. Costanzo disse que insistiu nesse tipo de realismo porque “o corpo é o único elemento político-ideológico do mundo de hoje e a ‘destruição’ do próprio corpo, a pequena revolução que alguém é capaz de fazer hoje em dia”. Daí as tatuagens, piercings e outras intervenções no corpo próprio. É o que também acontece no filme. Mattia corta sua pele à faca; Alice, além da cicatriz da cirurgia na perna, tem uma tatuagem que precisa remover. São as pequenas marcas revolucionárias do nosso pobre tempo.

E o título? Expressa uma definição da aritmética. Um número primo é aquele divisível apenas por um ou por si mesmo; não é divisível por outros. Essa metáfora matemática serve para dizer que Mattia e Alice só podem esperar a salvação em si mesmos ou, melhor ainda, um do outro. Com tudo o que têm de patético, os dois personagens parecem também bastante comoventes.

Tudo o que sabemos sobre:

cinema italianoFestival de Veneza

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.