As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário de Gramado 2011: Uma Longa Viagem vence o festival

Luiz Zanin Oricchio

14 de agosto de 2011 | 19h38

Pronto, amigos, terminou o Festival de Gramado e deu Uma Longa Viagem na cabeça. Ao contrário de alguns colegas, cuja opinião respeito demais, gosto muito do documentário da Lucia Murat, um relato familiar e ao mesmo tempo imersão na mentalidade de um tempo de radicalismos (com suas virtudes e defeitos, etc.)

Riscado, de Gustavo Pizzi, também foi muito bem premiado, com toda a justiça. Filme de pulsão, que passa uma verdade incrível.

Ao contrário do que previ, não houve “reforma agrária” na distribuição de prêmios. Concentrou-se os troféus em alguns filmes e outros saíram sem nada.

Houve poucas concessões, a não ser o prêmio de fotografia para O Carteiro, um óbvio caso em que o filme gaúcho não poderia ficar sem sua lembrancinha.

O júri dos latinos foi tímido. O vencedor Medianeiras é ok. A Tiros de Piedra, ou Jean Gentil seriam melhores opções.

A premiação de curtas foi muito fraca. O ponto mais frágil foi o troféu a José Wilker por  sua estereotipada interpretação em A Terceira Idade. Na verdade, o filme nem deveria ter sido selecionado.

Enfim, muitos problemas mas também virtudes neste festival, conforme relatei no dia a dia. Problemas de organização, com jornalistas sofrendo por causa das passagens aéreas. Filmes em DVD porque as cópias não chegavam a tempo.

Por outro lado, vimos muitos filmes bons, em especial na mostra latina, de longe melhor que a brasileira.

Vamos em frente. Mas Gramado deveria se organizar melhor para não deixar que defeitos perfeitamente corrigíveis empanem suas qualidades. Afinal, em 2012 será o 40º aniversário do festival. Não é mais nenhuma criança para andar fazendo bobagens.

Abaixo, a lista de premiação:

Categoria longa-metragem brasileiro
Melhor montagem: Leonardo Sette por “As hiper mulheres”.
Melhor fotografia: Roberto Henkin, por “O carteiro”.
Melhor roteiro: Gustavo Pizzi e Karine Telles por “Riscado”.
Melhor atriz: Karine Teles por “Riscado”.
Melhor ator: Caio Blat por “Uma longa viagem”.
Melhor diretor: Gustavo Pizzi, por “Riscado”.
Especial do júri: “As hiper mulheres”, de Leonardo Sette, Carlos Fausto e Takumã Kuikuro.
Melhor filme em longa-metragem brasileiro: “Uma longa viagem”, de Lucia Murat.

 

Categoria curta-metragem nacional
Melhor montagem: Mair Tavares e Tina Saphira, por “Um outro ensaio”.
Melhor fotografia: Jacques Dequeker, por “Polaroid circus”.
Melhor roteiro: Rodrigo John, por “Céu, inferno e outras partes do corpo”.
Melhor atriz: Dira Paes em “Ribeirinhos do asfalto”.
Melhor ator: José Wilker em “A melhor idade”.
Especial do júri: “Rivelino”, de Marcos Fábio Katudjian.
Melhor diretor: Natara Ney por “Um outro ensaio”.
Melhor filme curta-metragem: “Céu, inferno e outras partes do corpo”, de Rodrigo John.

Categoria longa-metragem estrangeiro
Melhor fotografia: Serguei Saldivar Tanaka, por “La lección de pintura”.
Melhor roteiro: Sebastián Hiriart, por “A tiro de piedra”.
Melhor atriz: Margarida Rosa de Francisco, por “García”.
Melhor ator: Gabino Rodríguez, por “A tiro de piedra”.
Melhor diretor: Gustavo Taretto por “Medianeiras – Buenos Aires na era do amor virtual” e Sebastián Hiriart, por “A tiro de piedra”.
Especial do júri: “Las malas intenciones”, de Rosario Garcia-Montero.
Melhor filme longa-metragem estrangeiro: “Medianeiras – Buenos Aires na era do amor virtual”, de Gustavo Taretto.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: