As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário de Gramado 2011: O País do Desejo

Luiz Zanin Oricchio

11 de agosto de 2011 | 13h32

O País do Desejo, de Paulo Caldas, ao contrário do que ele disse, me parece o seu filme menos autoral. Não que não tenha momentos bons, mas me parece que a concepção geral do projeto consiste em aparar determinadas arestas. Numa história folhetinesca da pianista (Maria Padilha) que sofre dos rins e de um padre (Fábio Assunção) que por ela se apaixona, passam temas quentes, como aborto, violação, doença terminal e posições dogmáticas da Igreja. Mas são tratadas de maneira um tanto superficial, com desfecho rápido e aquém do que se poderia esperar. Cineastas se defendem de críticas dizendo que não são obrigados a fazerem os filmes que os críticos esperam. Isso é óbvio. Mas os bons cineastas são culpados, ao despertar expectativa favorável em relação à sua obra anterior.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: