As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário de Gramado 2011: Debates

Luiz Zanin Oricchio

07 de agosto de 2011 | 14h25

Como sabe todo frequentador de festivais, nos debates os filmes se tornam geniais. Há sempre (ou quase sempre) uma imensa distância entre o filme que se viu na véspera e tudo o que dele se fala no debate do dia seguinte. Longe de ser um day after, com suas conotações negativas, o debate é uma oportunidade a mais que se apresenta ao filme de ser enaltecido, não raro muito além do merecimento.

Talvez encurtar a distância entre o filme e aquilo que dele se fala seja uma das funções da presença da crítica nos debates de festivais, disputando espaço com tietes e puxa-sacos de todos os matizes.

Bem, isso para dizer que, com o debate de Ponto Final, não foi diferente. Não que tenham falado muito bem do filme que entediara mortalmente o público na véspera. Criticou-se. Mas o tom geral, em especial nas respostas equívocas do diretor e equipe, era que se tinha visto algo de muito especial na noite anterior.

Ora, a evidência foi em sentido contrário.

Mas se os debates têm servido muito pouco para esclarecer as estruturas dos filmes (isto é, algumas das razões pelas quais ele agrada ou desagrada, emociona ou não, constrói pensamentos ou não), ainda servem de indicação, ainda que involuntária, para algum insight.

Por exemplo, quando se falava da estrutura de sonho do filme de Marcelo Taranto, um pensamento me veio à mente: como uma retórica tão quadrada e tão antiquada pode funcionar no interior de uma estrutura onírica, ou seja, aquela onde, por definição, vige uma grande liberdade de linguagem?

Talvez dessa contradição nasça o impasse fundamental do filme, aquele que trava sua fluência e fruição, apesar de todas as boas intenções ditas e repisadas no debate.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: