As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário de Gramado 2010: Diário de uma Busca

Luiz Zanin Oricchio

13 de agosto de 2010 | 17h48

Celso Afonso Gay de Castro morreu em 1984 em Porto Alegre em circunstâncias misteriosas, baleado no interior do apartamento de um alemão que, depois, verificou-se ser um ex-oficial nazista. Aparentemente, se tratava de um assalto que não deu certo e Celso e seu comparsa morreram na ação, não se sabe como. O laudo concluiu que Celso se suicidou para não ser preso com a chegada da polícia. Mas um legista acha a hipótese improvável.

O ingrediente: Celso era um ex-militante político, que pegara em armas contra a ditadura militar, saíra do país, vivera muitos anos no exterior, e para cá retornara com a anistia.

O caso rende o belo documentário Diário de uma Busca, dirigido pela filha de Celso, Flávia Castro. Flávia vai, obviamente, em busca da memória do pai. É um filme de reconstrução. De si mesma, em especial.

Mas, ao fazê-lo, traz também de volta a memória de todo um tempo dilacerado, o tempo que lhe coube viver, como filha do guerrilheiro e asilada, pulando de país em país.

Para reconstituir seu drama familiar, e o drama de toda aquela época radical, Flavia entrevista parentes (a própria mãe, Sandra, é um dos personagens principais), policiais, companheiros de luta de Celso e seus colegas no jornal Zero Hora, onde Celso trabalhou na fase final da vida. Não poupa ninguém e muito menos o pai, que terminou desiludido com a política, convivendo com problemas de álcool e drogas.

Uma tragédia brasileira, sem final feliz e com um enigma longe de ser desvendado.

Filme tocante, meu favorito na luta pelo Kikito.

Tudo o que sabemos sobre:

cinema brasileiroFestival de Gramado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.