As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário da Itália (20) Veneza chegou ao fundo do poço

Luiz Zanin Oricchio

05 de setembro de 2008 | 06h46

VENEZA – Se havia alguma dúvida de que este 65º Festival de Veneza seria lembrado pela má qualidade da mostra competitiva, ela foi dirimida ontem com a apresentação do quarto concorrente italiano, a comédia O Sêmen da Discórdia, de Pappi Corsicato.

Um sub-Almodóvar tosco, com personagens caricatos, preconceituoso e profundamente sem graça. Conta a história de uma mulher que deseja ter um filho e se descobre grávida justo no dia em que o marido fica sabendo que ele é estéril. Deu pane na comissão de seleção?

É claro que, quando choverem as críticas, vamos ouvir a velha ladainha: “a crítica não gosta de comédia” e blá-blá-blá. Tudo papo furado. Apenas para refrescar a memória: neste mesmo festival, vimos a cópia recuperada de Toh, è Morta la Nonna, de Mario Monicelli. Uma obra-prima de ironia, corrosiva e, sobretudo, muitíssima engraçada.

A comparação da grande comédia italiana dos anos 60 e 70 com a que se faz hoje por aqui é devastadora. Não existe preconceito contra comédia. Mesmo porque, como se costuma dizer, é este o gênero mais difícil. O que existe é conceito (e não preconceito) contra filme ruim.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.