As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Depois do filme, a febre Piaf sobe na França

Luiz Zanin Oricchio

25 de fevereiro de 2007 | 10h55

O filme La Môme, de Olivier Dahan, comoveu muita gente no recém-encerrado Festival de Cinema de Berlim. E ajudou a recolocar em primeiro plano uma figura central da cultura musical francesa – a grande, inesgotável Edith Piaf, lembrada em capa da Le Point com o título Les Années Piaf, e o subtítulo – ‘la star de la chanson incarne toujours la France populaire’.

É o que se encarrega de mostrar o extenso dossiê montado pela revista. Se até hoje Piaf (no filme interpretada por Marion Cotillard) encarna a França popular, deve haver um motivo, ou vários, para isso.

Piaf, lembra a revista, encarna dois aspectos contraditórios da sociedade francesa da primeira metade do século. Por um lado ela é ‘a rua, a miséria, as prostitutas, o álcool, os sonhos baratos, a guerra e os trabalhos infames’. Por outro, é também a idade de ouro dos cabarés e do music hall, o sucesso internacional, os amores loucos. É, por fim, a doença, a decadência, a morte pressentida desde sempre. Quer dizer, o melodrama em forma de gente.

E que gente! Uma tampinha, apenas 1,47 de altura, doentia, feiosa, cabelos escassos. E, no entanto, ouçam-na cantar L’Hymne à l’Amour e, como diz o articulista da Point, ‘vocês compreenderão como la Môme (a garotinha) transcendia as emoções primárias e essenciais, atingindo assim o universal, o próprio mito’. Que fazer? É isso mesmo e, para comprovar, basta ouvir uma das tantas gravações de Piaf, que ressurgem por aí remasterizadas. Segundo testemunho de gente que esteve há pouco na França, ferve por lá uma verdadeira febre Piaf, com reedições de todos os tipos, biografias e caixas com CDs da cantora.

Mas Piaf era apenas uma cantora? Gente que a ouviu cantar, em pessoa, diz que a definição seria pobre. Como todas as grandes intérpretes, Piaf era o que na umbanda se chama de ‘cavalo’; recebia do éter estranhas influências e as dividia com a platéia. Daí a catarse, a sensação de comunhão das dores da vida e dos males de amor.

La Môme desponta nos anos 30, atravessa a guerra, está em Paris na Ocupação e festeja a Liberação. Foi criada na rua, a avó tinha um circo de pulgas amestradas, o pai era um contorcionista chegado ao copo e a mãe mostrou-se incapaz de criar uma criança. A solução foi enviá-la a uma tia materna, em Bernay, na Normandia, que se ocupava da gerência de um bordel. Piaf, devoradora de homens, teve no boxeador Marcel Cerdan seu grande amor. Tudo nela é trágico, intenso, contraditório. Vida confusa. Ouçam-na cantar. Essa vida está lá, naquela voz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.