As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Critico, o filme

Luiz Zanin Oricchio

15 de janeiro de 2010 | 18h04

Como sou uma das pessoas entrevistadas, me sinto meio constrangido de escrever longamente a respeito do documentário Crítico, do Kléber Mendonça Filho. Vamos esclarecer. Faz alguns anos, se não me trai a memória em Atibaia, dei um depoimento a ele, do qual só foi aproveitado um pequeno trecho e, mesmo assim, sobre um aspecto um tanto fora do foco do filme, que é a relação problemática entre críticos e diretores de cinema.

No meu caso, no trecho aproveitado falo de outro lance, o das relações, não menos tensas (pelo menos até anos atrás), entre os críticos (jornalistas em geral) e as grandes empresas, as chamadas majors. Hoje, elas desenvolveram métodos mais sutis – e eficazes – de sedução a jornalistas. Mas, naquele tempo, uns 12 ou 15 anos atrás, o jogo era bruto prá valer e o novo estilo de marketing estava em fase de implantação, meio que a porrete. É sobre isso que falo, a partir de um episódio que aconteceu durante a cobertura do Festival de Veneza de 1998, quando uma dessas empresas tentou me impingir entrevistas que eu não havia pedido ou agendado. É tudo.

Assim, a minha participação no documentário Crítico é bem periférica. O cerne é mesmo o relacionamento entre aqueles que fazem os filmes e os que escrevem sobre eles, com as tensões narcísicas presentes nesse tipo de encontro/desencontro. E, nesse ponto, Crítico parece bem interessante embora, no âmbito brasileiro em particular, tenha ficado mais restrito à nova geração de críticos, da qual o próprio realizador faz parte. Espírito de grupo é algo a ser levado em conta, e pode ser cultivado, mas uma proposta mais abrangente talvez tornasse o filme ainda mais interessante do que já é. Não faria mal sair da “turma” e alargar o horizonte da análise, ou da conversa, sei lá.

Em todo caso, vale a pena ver Crítico e você não precisa ser um profissional de imprensa para gostar do filme. Aliás, sinto que o público em geral tem muita curiosidade sobre esse assunto um tanto espinhoso, o dos tapas e beijos entre jornalistas e cineastas. Eis aí a oportunidade de conhecer um pouco dos bastidores dessa rinha.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.