Começa hoje o 11º Olhar de Cinema
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Começa hoje o 11º Olhar de Cinema

Luiz Zanin Oricchio

01 de junho de 2022 | 14h27

 

CURITIBA – Já estou por aqui, para o Olhar de Cinema, que começa hoje à noite. Depois de dois anos online, devido à pandemia, o Olhar volta às salas. A abertura ocorre às 19h, no Cine Passeio, com a exibição do longa Vai e Vem, dirigido por Chica Barbosa e Fernanda Pessoa. 

O filme constrói-se na ligação e troca entre duas mulheres vivendo em duas cidades diferentes – uma em Los Angeles, outra em São Paulo. Flagra um momento crítico, o início da pandemia, com panelaços diários de uma população que parecia revoltada, no Brasil, e o governo Trump, nos Estados Unidos. Esse é o ponto de partida. Vamos ver qual é a do filme e como resolve sua proposta. Parece, pela sinopse, um típico trabalho de urgência. 

Este é o pontapé inicial de um festival que chega à sua 11ª edição, tendo já uma tradição formada junto ao cinema independente. A programação é ambiciosa e abrangente – ao longo de nove dias serão exibidos mais de cem filmes de quarenta países. Os organizadores prometem uma seleção que reflita os anos conturbados que temos atravessado, marcados por uma inesperada pandemia, mas também pela ascensão de governos de vocação totalitária, aumento da miséria e conflitos armados. O mundo não oferece um panorama ameno. E o cinema, como as artes em geral, embora não possa ser assimilado a mero reflexo do real, acaba por incorporar um ar do tempo, um zeitgeist que, para falar a verdade, não cheira nada bem. 

Além das diversas mostras do festival em que os filmes são acomodados, há também o Olhar Retrospectivo, que traz a obra da estadunidense Su Friedrich. De acordo com o release, é “nome importante do cinema de invenção e referência indispensável para o pensamento das autorias lésbicas na produção de imagens”. Não conheço. Vamos ver. 

Enfim, muitas novidades, coisas novas, artistas que a gente não conhece, o que é muito bom. Vou mandando notícias à medida que os filmes forem sendo vistos. 

Outra mostra de volta à edição deste ano é a Olhares Clássicos, que celebra a história do cinema. A principal atração é Nanook do Norte, de Flaherty, documentário que cumpre seu centenário este ano. A mostra apresenta também obras de Sara Gómez, de Cuba, e Ousmane Sembène, do Senegal. Outros nomes homenageados: Peter Bogdanovich, Arnaldo Jabor e Geraldo Sarno – os três desaparecidos recentemente.

Já nos avisaram que, embora o festival retorne às exibições presenciais, o online não será abandonado. Isso é ótimo, porque aumenta demais o público do festival. 

A exibição online dos filmes vai ocorrer de 7/6 às 00h até 9/6 às 23h59 no site e não há venda antecipada. Dentro desse período, podem ser feitas as locações dos filmes listados e assistir imediatamente. O preço é 6 R$ por locação. 

https://www.olhardecinema.com.br/filmes-on-line/

E vamos nessa, que aqui está um frio do cão. 

Tudo o que sabemos sobre:

Olhar de Cinema

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.