Cine Ceará 2021 começa neste sábado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cine Ceará 2021 começa neste sábado

Luiz Zanin Oricchio

26 de novembro de 2021 | 12h15

Perfumes de Gardênias, um dos concorrentes do Cine Ceará 2021

FORTALEZA – Em forma híbrida, começa este sábado a 31ª edição do Cine Ceará. De 27/11 a 3/12, haverá sessões presenciais no Cineteatro São Luiz, na Praça do Ferreira, em Fortaleza. Mas a programação também poderá ser acompanhada pelo Canal Brasil, Canais Globo e Globo Play + Canais ao Vivo. A programação completa você encontra no site https://www.cineceara.com/, com os horários presenciais e também do Canal Brasil e streaming. Confira mesmo, pois os horários são diferentes: por exemplo, o filme de abertura passa no cinema este sábado e no Canal Brasil apenas na terça-feira. 

A noite de abertura terá homenagem à atriz Marta Aurélia e ao diretor Halder Gomes. Em seguida, será exibido o primeiro filme da competição, Fortaleza Hotel, de Armando Praça. Dois anos atrás, Praça venceu o Cine Ceará com seu Greta, ótimo filme, turbinado pela interpretação inspirada e corajosa de Marco Nanini, que também levou o troféu de melhor ator. Os filmes selecionados para a mostra competitiva, você encontra abaixo. 

OS LONGAS DA COMPETITIVA IBERO-AMERICANA  

5 casas. Direção: Bruno Gularte Barreto. Documentário. 97 min. Brasil. 2020. Première Brasil  

A Praia do Fim do Mundo. Direção: Petrus Cariry. Ficção. 88 min. Brasil. 2021. Première Mundial  

Bosco. Direção: Alicia Cano Menoni. Documentário. 82 min. Uruguai-Itália. 2020. Première Brasil  

Fortaleza Hotel. Direção: Armando Praça. Ficção. 77 min. Brasil. 2021.  Première Mundial   

Perfume de Gardenias. Direção: Macha Colón. Ficção. 97 min. Porto Rico-Colômbia. 2021.  Première Brasil  

Vacío. Direção: Paul Venegas. Ficção. 92 min. Equador. 2020.  Première Brasil

Não posso falar sobre nenhum dos filmes porque não os conheço. E, acredite, isso é uma alegria. Nada mais chato do que ir a um festival com obras que já passaram por outros festivais, ou outras mídias e que, portanto, já são conhecidos de todo mundo, pelo menos do mundinho jornalístico. Como diz uma amiga, são filmes “lavados, batidos e enxugados”. Neste Cine Ceará, tudo, ou quase tudo, será novidade. E nada como um filme do qual você nunca tenha ouvido falar e te proporciona uma experiência cinematográfica feliz. 

Além da competição principal, há também a seleção de curtas e os longas da Mostra Ceará. Aos poucos, de lá, mandarei meus despachos sobre o que vi de mais estimulante, interessante ou que, por qualquer motivo, tenha me chamado a atenção em todas essas mostras.  

LONGAS – MOSTRA OLHAR DO CEARÁ 

No Cineteatro São Luiz 

 A partir de terça-feira, dia 30, terá início a Mostra Olhar do Ceará. O festival exibe, no Cineteatro São Luiz, sempre às 14h, três longas-metragens documentais. Na terça-feira será a vez de “Transversais”, de Émerson Maranhão, na quarta-feira, “De uma distância esquizóide” de Gabriel Silveira, e na quinta-feira, “Minas urbanas”, de Natália Gondim.  

 Para não dizer que tudo é inédito, é preciso destacar a peça de luxo reservada para a noite de premiação. Depois de distribuídos os troféus Mucuripe, na noite do dia 3/12 será exibido no cinema o extraordinário filme de Karim Aïnouz, o memorialístico Marinheiro das Montanhas. Nele, Karim, cearense, filho de mãe igualmente cearense e pai argelino, vai em busca de suas raízes no continente africano. Nessa espécie de diário de viagem cinematográfico, passa por Argel e sobe à terra do pai, nas montanhas do país, na região de Cibila. Tudo então se torna surpresa, ternura e poesia. Um filmaço, que vou rever com prazer. Assisti-o pela primeira vez na Mostra de Cinema de São Paulo.  

Tudo o que sabemos sobre:

Cine Ceará